Jornada de trabalho de servidor submetido a regime especial de trabalho quando investido em cargo em comissão: entendimento do TCU

Regime de Pessoal

O artigo 19 da Lei nº 8.112/90 estabelece regras sobre a jornada dos servidores públicos federais[1]. Nesse sentido, prevê uma jornada máxima de 40 horas semanais para a generalidade dos cargos efetivos e submete ao regime de dedicação exclusiva os cargos em comissão (§ 1º).

Em seu parágrafo segundo, o artigo 19 resguarda ainda situações em que o servidor se submeta à jornada diferenciada estabelecida por leis especiais, assim compreendidas as normas destinadas a servidores públicos, e não as normas nacionais regulamentadoras de profissão, as quais teriam aplicação apenas no campo das relações trabalhistas privadas[2].

Regulamentado o art. 19 da Lei nº 8.112/90, o Decreto nº 1.590/95 previu que:

“Art. 1º A jornada de trabalho dos servidores da Administração Pública Federal direta, das autarquias e das fundações públicas federais, será de oito horas diárias e:

I – carga horária de quarenta horas semanais, exceto nos casos previstos em lei específica, para os ocupantes de cargos de provimento efetivo;

Você também pode gostar

II – regime de dedicação integral, quando se tratar de servidores ocupantes de cargos em comissão ou função de direção, chefia e assessoramento superiores, cargos de direção, função gratificada e gratificação de representação.”

Assim, servidores médicos, odontólogos, terapeutas, entre outros, sujeitam-se à jornada inferior a 40 horas semanais, em razão de legislação específica autorizando tal medida[3].

Diante dessas premissas, questiona-se a qual jornada está submetido servidor originalmente sujeito a horário diferenciado estabelecido por lei especial quando estiver ocupando cargo em comissão.

Em análise a situação funcional de médicos e odontólogos quando designados para cargos em comissão, o TCU recentemente se posicionou sobre a jornada cabível a esses servidores, nos seguintes termos:

“deve-se exigir destes servidores comissionados o cumprimento da jornada integral de trabalho de 40 horas/semanais, condizente com a integral dedicação ao serviço de que trata o § 1º do art. 19 da Lei nº 8.112/1990, como restou decidido no citado Acórdão 417/2007-TCU-1ª Câmara, que ratificou o entendimento já firmado em outros  julgados desta Corte.

70.3.7. Ademais, a possível regularização da jornada integral dos médicos e odontólogos comissionados não dispensa o ressarcimento de valores recebidos indevidamente daqueles que não cumpriram a jornada integral de trabalho de 40 horas/semanais.” (TCU, Acórdão nº 2674/2015-2ª Câmara)[4].

Desta forma, de acordo com o recente entendimento adotado pelo TCU, servidores sujeitos a jornada diferenciada em razão de leis especiais, quando designados para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança, devem cumprir regime de dedicação integral de quarenta horas semanais.

 


[1] “Art. 19.  Os servidores cumprirão jornada de trabalho fixada em razão das atribuições pertinentes aos respectivos cargos, respeitada a duração máxima do trabalho semanal de quarenta horas e observados os limites mínimo e máximo de seis horas e oito horas diárias, respectivamente.

§ 1o  O ocupante de cargo em comissão ou função de confiança submete-se a regime de integral dedicação ao serviço, observado o disposto no art. 120, podendo ser convocado sempre que houver interesse da Administração.

§ 2o  O disposto neste artigo não se aplica a duração de trabalho estabelecida em leis especiais.”

[2] Nesse sentido: RIGOLIN, Ivan Barbosa. Comentários ao regime jurídico único dos servidores públicos civis. São Paulo: Saraiva, 2007. p. 68-69.

[3] A Portaria nº 97, de 17 de fevereiro de 2012 da Secretaria de Gestão Pública do MPOG relaciona os cargos cuja jornada de trabalho, em decorrência de leis específicas, é inferior a quarenta horas semanais. Disponível em: https://conlegis.planejamento.gov.br/conlegis/pesquisaTextual/atoNormativoDetalhesPub.htm?id=8889. Consulta em 27.07.2015.

[4] Rel. Min. Substituto André de Carvalho, j. em 19.05.2015.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores