Artigo 2º, § 3º, da Lei nº 12.232/10: adjudicação do objeto a mais de uma agência

Publicidade

Seguindo com os comentários à Lei nº 12.232/2010, passa-se à análise do artigo 2º, § 3º, que assim dispõe:

§ 3o Na contratação dos serviços de publicidade, faculta-se a adjudicação do objeto da licitação a mais de uma agência de propaganda, sem a segregação em itens ou contas publicitárias, mediante justificativa no processo de licitação.

A regra prevista no § 3º da Lei, isto é, a possibilidade de adjudicar o mesmo objeto a mais de uma agência publicitária, decorre daquilo que, mesmo sem amparo legal, já era prática corrente no âmbito das contratações de serviços de publicidade. Afirma-se que tal prática vinha sendo realizada sem escopo legal porque a legislação permitia (Instrução Normativa Secom nº 07/95) tão somente a realização de um certame licitatório para adjudicação de contas publicitárias distintas (vale dizer, objetos distintos) a mais de um contratado, nos mesmos moldes do que prevê o artigo 23, § 1º da Lei nº 8.666/93 [1]. Entretanto, tornou-se comum a adjudicação do mesmo objeto a mais de um particular.

Essa e outras irregularidades relativas às licitações e contratos para serviços de publicidade foram apontadas em Relatório de Auditoria – Acórdão nº 2062/2006, documento que resultou da análise das principais questões sobre o tema coletadas em auditorias realizadas pelo Tribunal de Contas da União. O estudo foi conduzido pela 6ª Secretaria de Controle Externo, e tinha por objetivo “identificar as falhas de caráter generalizado, que pudessem revelar a necessidade de aprimoramento da sistemática dessas contratações”.

Você também pode gostar

No que se refere especificamente à possibilidade de adjudicação do mesmo objeto a mais de um particular, consta do Relatório do Acórdão que:

A contratação de mais de uma licitante para um mesmo item não encontra respaldo na Lei nº 8.666/93. A etapa para definição das contratadas que executarão o percentual restante dos serviços (25% no exemplo acima) não é prevista na lei de licitações e não está disciplinada por procedimentos subordinados aos princípios da publicidade e impessoalidade” (TCU, Acórdão nº 2062/2006, Plenário, Rel. Min. Ubiratan Aguiar, DOU de 13.11.2006).

Apesar da constatação e apuração de ilegalidade do procedimento em questão – oportunidade em que se reconheceu, inclusive, que as irregularidades derivavam do modelo de contratação dos serviços de publicidade disciplinada pelos Decretos 4.563/02 e 4.799/03 – a adjudicação do objeto a mais de uma agência foi defendida quando do julgamento de Pedido de Reexame interposto contra o Acórdão proferido pelo TCU. Por ocasião do julgamento do Pedido, o Ministro Marcos Vinícios Vilaça entendeu que os contratos de publicidade tratam de serviços diferenciados, que admitem a divisão na execução contratual.

Como fundamentos justificadores para adoção do procedimento estão: a possibilidade de haver subobjetos num contrato de publicidade, o que permitiria a subdivisão para mais de um executor; a realização de licitações sucessivas para contratação de objetos distintos mostrar-se como prática antieconômica; a conveniência de ter mais de uma agência “de prontidão” para realizar serviços que sejam demandados com urgência; e a agilidade e qualidade que a subdivisão pode trazer para o contrato no momento da execução  (TCU, Acórdão nº 3233/2010, Plenário, Rel. Min. Marcos Vinícios Vilaça, DOU de 14.12.2010). As razões colacionadas no Acórdão apresentam-se como aspectos positivos para a adjudicação do mesmo objeto a mais de uma agência publicitária. Parecem ter sido estes os aspectos vislumbrados pelo legislador ao editar a Lei nº 12.232/10, tendo em vista que inclui no diploma o procedimento em análise.

A adjudicação do objeto a mais de uma agência pode, efetivamente, mostrar-se como alternativa vantajosa do ponto de vista dos riscos da contratação. Explica-se: a execução indireta do objeto implica em atribuir a terceiro a solução para determinado problema, o que por si só traz riscos à satisfação da necessidade administrativa. O disposto no preceito em apreço remete a um cenário projetado para aumentar as chances de sucesso da contratação, já que a possibilidade de contratar com várias agências após conhecer a capacidade técnica de cada uma confere qualidade e agilidade à execução. Mormente num trabalho em que é essencial a criatividade, a adjudicação do mesmo objeto a várias agências pode se apresentar como ferramenta para obtenção de resultados eficientes e nos moldes daquilo que foi planejado.

Por outro lado, o preceito abre aos agentes mal-intencionados a possibilidade de favorecer empresas que não foram contempladas com o 1º lugar na classificação final do certame. Isso porque, quando o § 3º do art. 2º dispõe que “faculta-se a adjudicação do objeto da licitação a mais de uma agência de propaganda”, não especifica quando essa faculdade deve ser exercida. Poder-se-ia alegar que tal se daria somente depois de realizada a licitação. Entretanto, essa não é interpretação coerente com os princípios da publicidade, moralidade e isonomia, devendo a decisão a respeito da adoção do procedimento ser feita quando do planejamento da licitação, materializando-se no instrumento convocatório do certame. Sobre o assunto, cabe lembrar a ponderação de José Fernandes Filho no sentido de que, tendo em vista os princípios que orientam a contratação pública, a única surpresa que o licitante deve ter é quanto ao preço de seus concorrentes [2].

Considerado vantajoso ou não, o procedimento agora possui amparo legal. Assim, realizada a licitação e adjudicado o objeto às agências, sempre que estiver diante de uma necessidade concreta a Administração realizará a seleção interna para determinar qual contratada irá executar cada ação publicitária (artigo 2º, § 4º). Esta seleção interna e suas implicações serão abordadas na próxima postagem.


[1]

Art. 23

(…)

§ 1º “As obras, serviços e compras efetuadas pela Administração serão divididas em tantas parcelas quantas se comprovarem técnica e economicamente viáveis (…).”

[2] FERNANDES FILHO, José. Licitação (Adilson Dallari et al.). Belo Horizonte, Fundação Dom Cabral, Consultoria Editorial, p. 148.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores