Contrato: a base de cálculo dos 25% de alteração no caso de prorrogação

Contratos Administrativos

Questão apresentada à Equipe de Consultores Zênite:

“Solicito orientação sobre a base a ser considerada para o cálculo do limite legal de 25%, referente ao acréscimo quantitativo, se deve ser considerado o valor inicial do contrato ou o valor da prorrogação do contrato ou a soma de ambos? Em outras palavras, com a prorrogação altera-se a base de cálculo dos 25% para o valor prorrogado e desconsidera-se o valor inicial do contrato? Ou somam-se os 2 valores (valor inicial e prorrogado) para compor a base de cálculo dos 25% de acréscimo?

CONCLUSÃO OBJETIVA

Apesar de o tema comportar polêmica, adotada a racionalidade mais cautelosa (tendo em vista os precedentes citados do TCU), deve-se considerar como valor inicial atualizado do contrato apenas o valor ajustado para o segundo período de vigência, não se comunicando com o valor definido para a primeira vigência contratual.

Em resumo, ainda que paire discussão sobre o assunto, a prorrogação contratual não altera a base de cálculo dos 25%, devendo ser considerado apenas o valor relativo a esse período contratual vigente.

Você também pode gostar

Salvo melhor juízo, essa é a orientação da Zênite, de caráter opinativo e orientativo, elaborada de acordo com os subsídios fornecidos pela Consulente.

ORIENTAÇÃO ZÊNITE

Inicialmente, a respeito da base de cálculo para aplicação do limite legal para acréscimos em contratos de prestação de serviços de natureza continuada, remete-se à leitura de Pergunta e Resposta publicada na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos (ILC):

Nos contratos de prestação de serviços contínuos, o percentual de acréscimo de até 25% deve incidir apenas sobre o valor originalmente contratado ou a cada período de prorrogação é aumentada a base de cálculo?

A prorrogação dos contratos de serviços contínuos importa na renovação para o período subsequente das bases estabelecidas inicialmente entre as partes. Há quem defenda, aliás, que a prorrogação constitui um novo contrato, idêntico ao inicial.

Assim, a cada novo período de vigência, o ajuste terá “renovado” seu valor nominal, caso prorrogado por idêntico período. Por exemplo, se o valor inicial estimado para o ajuste de 12 meses foi de R$ 250.000,00, o valor do contrato para o próximo período de vigência de 12 meses também será de R$ 250.000,00, atualizado em razão de eventual revisão, reajuste ou repactuação, se for o caso.

Tendo sido realizado um acréscimo de 25% sobre o valor inicial do contrato, em determinado período de vigência, a Administração deverá avaliar, quando da prorrogação, se a necessidade dessa alteração permanece para o período subsequente. Portanto, antes de formalizar o termo aditivo referente à prorrogação, a Administração deve verificar se o quantitativo acrescido será necessário para satisfazer a demanda no próximo período.

Constatada a necessidade de manter o acréscimo efetivado, a prorrogação ocorrerá em consideração ao valor total do contrato no momento de sua formalização, incluindo, portanto, a alteração quantitativa feita na ordem de 25%. Em outras palavras, a prorrogação será formalizada considerando circunstância atual do contrato, caso esta corresponda à solução necessária para atender à demanda do próximo período de vigência do contrato.

O contrato prorrogado com o acréscimo de 25% não mais poderá sofrer novo acréscimo no novo período, uma vez que foi atingido o limite no primeiro período de vigência. Logo, no exemplo citado, se o contrato foi acrescido em 25% e foi prorrogado com o impacto dessa alteração (R$ 250.000 + R$ 62.500,00), a Administração não poderá realizar outro acréscimo sobre o valor do novo período (R$ 312.500,00).

Nesse sentido é a manifestação do TCU:

‘Relatório 146. […], o Contrato 77/2007 ainda poderia ser prorrogado por mais 33 meses, considerando-se o prazo estipulado no art. 57, II, da Lei de Licitações. Isso porque apesar de ter sido realizado aditamento que aumentou em 25% o seu quantitativo original, tal contrato poderia sofrer novas prorrogações desde que fossem mantidos esses quantitativos já acrescidos em 25%, não cabendo, isso sim, novos acréscimos. Ou seja, as prorrogações poderiam ocorrer desde que mantidas as quantidades previstas pela última alteração por meio de aditivo’. (TCU, Acórdão nº 448/2011, Plenário, grifamos.)

Por outro lado, valendo-se da interpretação desse precedente, diante da conclusão de que não permanece a necessidade de manter o acréscimo efetivado, a Administração deverá celebrar a prorrogação de prazo voltando ao valor inicial do ajuste. E se a prorrogação considerou o valor inicial do ajuste, sem eventuais acréscimos realizados no período anterior, e em função de fato superveniente surgir a necessidade de aumentar o quantitativo previsto, então, haverá a possibilidade de acrescer no novo período até o limite de 25% sobre o valor inicial atualizado do contrato. Confirmam esse raciocínio os seguintes acórdãos:

‘4. Após as primeiras audiências e análises pertinentes, foram acatadas as justificativas dos responsáveis em relação à suposta extrapolação do limite de 25% de acréscimo de valores previsto no art. 65, § 1º, da Lei 8.666/1993, conforme a análise de mérito realizada pela unidade técnica à peça 48, da qual permito-me extrair o seguinte excerto: 19. Não obstante o citado entendimento da Consultoria Jurídica, considera-se que o mesmo raciocínio utilizado por esta Unidade Técnica para dizer que os acréscimos resultantes do terceiro e do quarto termo aditivo não ultrapassaram o limite previsto na norma também pode ser estendido à alteração quantitativa ocorrida com o sexto aditivo. Isso porque, durante a vigência da segunda prorrogação contratual (quinto aditivo), o acréscimo de R$ 605.170,00 (sexto aditivo) correspondeu a 25% sobre o valor inicial atualizado do contrato (R$ 2.420.682,96), conforme no art. 65, § 1º, da Lei 8.666/1993. Nesse particular, prevalece a exegese segundo a qual, nos contratos de duração continuada, a exemplo dos serviços de manutenção predial, o limite de 25% deve incidir sobre o valor atualizado do contrato para cada período. “Nesse caso, cada contratação é autônoma entre si. Essa solução tem sido adotada depois da alteração da redação do art. 57, II, da Lei 8.666/93 e, em especial, por efeito das regras de responsabilidade fiscal. Considerando-se que cada contratação deve ser compatível com o conteúdo da lei orçamentária, tem-se imposto a segregação entre os diversos contratos” (grifamos) (Marçal Justen Filho, Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos, 16ª edição, editora Revista dos Tribunais, 2014, pág. 1048)’. (TCU, Acórdão nº 8.324/2017, 2ª Câmara, grifamos.)

‘20. No caso sob exame, os acréscimos de valor se deveram a alterações quantitativas de objeto e não simplesmente a sucessivas prorrogações de serviços contínuos. Assim, nos termos do art. 65 da Lei de Licitações, o cálculo do limite previsto nos §§ 1º e 2º do dispositivo, deve tomar como base o valor inicial atualizado do contrato, sem os acréscimos advindos das prorrogações’. (TCU, Acórdão nº 1.550/2009, Plenário, grifamos.)

Há entendimento no sentido de que a base de cálculo para alterações quantitativas em contratos de serviços contínuos seria a soma dos valores relativos aos períodos de prorrogação do ajuste, o que poderia comportar as frações prorrogadas até o momento da alteração ou o período total passível de ser alcançado com a prorrogação. Tais linhas de interpretação foram cogitadas por Marçal Justen Filho (2014, p. 1.048).

Registrada a possibilidade de discussão do tema, concluímos no sentido de que os contratos de serviços contínuos podem ser acrescidos quantitativamente até 25% sobre o valor inicial atualizado do contrato, assim considerado aquele estabelecido originalmente entre as partes somado ao reflexo de eventual reajuste, repactuação ou revisão. Assim, a cada prorrogação, por idêntico período e pelo valor original do ajuste, surge a possibilidade de acréscimos de até 25% sobre essa base de cálculo2.3 (Destacamos.)

Observamos que é possível adotar a racionalidade da “banda de variação”, de modo que, se realizada alguma supressão, posteriormente seria admitido novo acréscimo, contanto que preservado o valor inicial atualizado do contrato acrescido do limite de 25%. Em manifestação recente – Acórdão nº 66/2021 – Plenário -, o TCU adotou racionalidade que permitiria sustentar tal “banda de variação”. Logo, ainda que prorrogado o contrato já com o acréscimo efetivado de 25%, se no novo período de vigência ocorrer alguma supressão, seria cogitável, diante de necessidade superveniente e motivada, realizar novo acréscimo para o mesmo serviço, contanto que preservado o valor inicial atualizado do contrato acrescido do limite de 25%.

Feito este registro, e tendo em vista essa ordem de ideias – que retrata a tendência de entendimento por parte das Cortes de Contas, tem-se que, se o contrato inicial foi firmado pelo período de 12 meses, pelo valor de R$ 100.000,00, por exemplo, durante sua vigência, admitem-se acréscimos que somados alcancem até 25% desse valor, ou seja, R$ 25.000,00.

Ocorrendo a prorrogação desse contrato para um novo período de 12 meses, pelo valor de R$ 100.000,00, a base de cálculo para apuração do limite para acréscimos que poderá ser efetuado nesse período contratual não se comunica com a base de cálculo aplicada para o primeiro período. Desse modo, no segundo período contratual, a Administração poderá promover acréscimos contratuais que somados não ultrapassem 25% do valor definido para esse novo período contratual, ou seja, R$ 25.000,00.

Vejamos um exemplo: num contrato de 30 meses no valor de R$ 100.00,00, prorrogado por mais 30 meses, valor de R$ 100.000,00. Surgindo a necessidade de acrescer o quantitativo na segunda vigência contratual de 30 meses, a base de cálculo para o acréscimo será de 25% sobre o valor inicial pactuado para o período correspondente de 30 meses. Por essa racionalidade, portanto, não há que se falar que “esse contrato passou a ser de 60 meses e o custo total dele passou a ser R$ 200.000,00”.

REFERÊNCIAS

JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. 16. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

MENDES, Renato Geraldo. Zênite Fácil. Lei nº 8.666/1993, nota ao art. 57, § 1º, Categoria Jurisprudência. Disponível em: http://www.zenitefacil.com.br. Acesso em: 17 dez. 2018.

Revista Zênite ILC – Informativo de Licitações e Contratos, Curitiba: Zênite, n. 114, p. 661, ago. 2003.

ALTERAÇÃO do contrato – Serviços contínuos – Acréscimo – Incidência do limite de 25% – Base de cálculo – Valor original ou cada período de prorrogação. Revista Zênite ILC – Informativo de Licitações e Contratos, Curitiba: Zênite, n. 300, p. 196, fev. 2019, seção Perguntas e Respostas.

[Blog da Zênite] Contrato: a base de cálculo dos 25% de alteração no caso de prorrogação

Essa é uma, das muitas consultas respondidas diariamente pelo Serviço de Orientação por Escrito Zênite!

Veja o que a solução Zênite oferece aqui e contate o nossa equipe: comercial@zenite.com.br ou pelo telefone (41) 2109-8660.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Colunas & Autores

Conheça todos os autores