Licitações para serviços de publicidade: a finalidade da regra estabelecida no art. 6º, § 2º, da Lei nº 12.232/10

Publicidade

Como é sabido, as licitações voltadas à contratação de serviços de publicidade devem ser processadas à luz da Lei nº 12.232/2010.

Esse diploma legal inova em alguns aspectos referentes ao julgamento das propostas, entre os quais se destaca a análise da proposta técnica.

Segundo o § 2º do art. 6º da Lei nº 12.232/10, quando “houver desclassificação de alguma proposta técnica por descumprimento de disposições do instrumento convocatório, ainda assim será atribuída pontuação a seus quesitos, a ser lançada em planilhas que ficarão acondicionadas em invólucro fechado e rubricado no fecho pelos membros da subcomissão técnica prevista no § 1º do art. 10 desta Lei, até que expirem os prazos para interposição de recursos relativos a essa fase da licitação, exceto nos casos em que o descumprimento resulte na identificação do proponente antes da abertura do invólucro de que trata o § 2º do art. 9º desta Lei” (destacamos).

A previsão dessa regra tem dupla finalidade:

1 – Resguardar a agilidade no julgamento dos recursos, na medida em que reduz a possibilidade de questionamento somente aos aspectos que efetivamente influenciaram na decisão da Administração. Ora, se a proposta foi desclassificada em decorrência da inobservância dos requisitos do edital, não há razoabilidade na abertura de oportunidade para que o seu detentor recorra dos quesitos técnicos, que não foram considerados para determinar a desclassificação.

2 – Assegurar a impessoalidade na pontuação dos quesitos técnicos em caso de revisão da decisão em virtude do deferimento do recurso. Como se sabe, não há a identificação dos proponentes antes da fase de julgamento das propostas técnicas, a fim de garantir a lisura no exercício dessa atividade. No entanto, após essa etapa, a Administração passa a ter conhecimento da autoria das propostas.

2.1. – Com isso, se houver a reforma da decisão que desclassificou determinada proposta em razão do descumprimento de requisitos do edital e, portanto, for necessária a avaliação da pontuação dos quesitos técnicos, ocorrerá que esta análise já terá sido feita e, consequentemente, restará assegurada a impessoalidade pretendida pela Lei no que tange a esse julgamento.

2.2 – Agora, nesse caso, tendo havido o provimento do recurso e sido determinado o retorno à etapa de avaliação dos quesitos técnicos da licitante inicialmente desclassificada, será imperioso abrir novo prazo recursal com vistas a possibilitar eventual insurgência quanto à pontuação definida pela subcomissão técnica. Isso porque, a reforma da decisão afetará a ordem de classificação inicialmente determinada e, portanto, constituirá decisão nova, cujo conteúdo não era de conhecimento dos licitantes anteriormente. Assim, em respeito aos princípios da ampla defesa e do contraditório, assegurados pela Constituição da República (art. 5º, LV) e pela Lei de Licitações (art. 109), tem-se como devida a reabertura de prazo recursal diante da nova ordem classificatória.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores