TCU: condições precárias de fiscalização afastam a responsabilização do fiscal

Responsabilidade

Em recente precedente – Acórdão nº 2973/2019 – 2ª Câmara – o Tribunal de Contas da União reconheceu a necessidade de afastar a responsabilização do fiscal do contrato diante das circunstâncias do caso concreto.

Dentre os elementos constantes do Voto da Rel. Ana Arraes, sobressai a consideração em torno de que seria necessário “fazer uma separação minuciosa do que é defeito de construção daquilo que não o é. Na mesma linha, assiste razão à unidade técnica ao afirmar que os problemas relacionados à falta de conservação e manutenção do edifício público detectados pela comissão de vistoria cinco anos após a entrega da obra não são de responsabilidade dos fiscais.”

Demais disso, a imputação de responsabilidade depende da caracterização do nexo de causalidade envolvendo a conduta do fiscal e as irregularidades. Ou seja, “seria necessário identificar, especificadamente, dos serviços atestados pelo responsável ou executados fora das especificações em razão de sua determinação aqueles que geraram débito e quantificar o montante correspondente ao dano que o responsável teria dado causa; não identifico isso nos autos.”

Por fim, quanto aos pressupostos subjetivos de responsabilização, registrou a relatora que “as condições materiais de exercício da função pública devem ser consideradas na avaliação da culpabilidade do gestor e, por conseguinte, na dosimetria das sanções eventualmente aplicadas”.

Reforçou a argumentação com a recente Lei nº 13.655/2018, que incluiu na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro – LINDB disposições sobre segurança jurídica e eficiência na criação e aplicação do direito público. Nas palavras da Relatora, Passou-se a exigir dolo ou erro grosseiro para a responsabilização pessoal do agente público nas esferas administrativa, controladora e judicial (art. 28). Ademais, na interpretação das normas de gestão pública, deverão ser considerados ‘os obstáculos e as dificuldades reais do gestor e as exigências das políticas públicas a seu cargo’ (art. 22, caput).”

Você também pode gostar

E concluiu:

  1. Isso posto, evidenciadas as condições precárias de fiscalização do recorrente, impõe-se a sua exclusão do polo passivo da relação processual. (…)
  2. Ainda que subsistam questionamentos acerca da correta atuação do responsável na qualidade de fiscal e gestor do Contrato 34/2002, os pressupostos elementares para a sua responsabilização neste Tribunal (vide, a propósito, os Acórdãos 2.420/2015 e 2.781/2016, ambos de Plenário) não restaram devidamente configurados. Ademais, as condições de fiscalização mitigam a culpabilidade do recorrente.

 

 

 

 

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores