Em contrato de obra, diante da prorrogação do cronograma de execução, é necessário revisar a “administração local”?

Obras e Serviços de Engenharia

Primeiramente, é essencial
compreender os elementos que compõem o item de custo “administração
local”. Vejamos entendimento do Tribunal de Contas da União (TCU):

A administração local também é um componente do custo direto da obra e compreende a estrutura administrativa de condução e apoio à execução da construção, composta de pessoal de direção técnica, pessoal de escritório e de segurança (vigias, porteiros, seguranças etc.) bem como, materiais de consumo, equipamentos de escritório e de fiscalização.

Vale comentar que despesas relativas à administração local de obras, pelo fato de poderem ser quantificadas e discriminadas por meio de contabilização de seus componentes, devem constar na planilha orçamentária da respectiva obra como custo direto. A mesma afirmativa pode ser realizada para despesas de mobilização/desmobilização e de instalação e manutenção de canteiro. Essa prática vem sendo recomendada pelo TCU e visa a maior transparência na elaboração do orçamento da obra. (TCU, 2014, p. 63, grifamos)

O TCU, inclusive, indicou os
principais componentes de custos unitários que integram a administração local:

Você também pode gostar

A Administração Local compreende os custos das seguintes parcelas e atividades, dentre outras que se mostrarem necessárias:

– chefia e coordenação da obra;

– equipe de produção da obra;

– departamento de engenharia e planejamento de obra;

– manutenção do canteiro de obras;

– gestão da qualidade e produtividade;

– gestão de materiais;

– gestão de recursos humanos;

– gastos com energia, água, gás,

– telefonia e internet;

– consumos de material de escritório e de higiene/limpeza;

– medicina e segurança do trabalho;

– laboratórios e controle tecnológico dos materiais;

– acompanhamento topográfico;

– mobiliário em geral (mesas, cadeiras, armários, estantes etc.);

– equipamentos de informática;

– eletrodomésticos e utensílios;

– veículos de transporte de apoio e para transporte dos trabalhadores;

– treinamentos;

– outros equipamentos de apoio que não estejam especificamente alocados para nenhum serviço. (TCU, 2014, p. 63-64)

Atualmente, tem sido muito
discutido o modo pelo qual essa parcela deve ser liquidada e paga ao
contratado. O TCU vem combatendo o pagamento de uma parcela fixa mensal a
título de administração local. No entendimento do tribunal, esse encargo deve
ser pago de forma proporcional às parcelas efetivamente
realizadas e aferidas em cada medição
. Vamos conferir:

A medição da administração local como um montante fixo mensal pode distorcer os pagamentos e levar ao recebimento indevido de valores pelo construtor, quando este reduz o ritmo de execução da obra.

Para evitar tal possibilidade, o TCU tem recomendado o pagamento do item como uma proporção da execução financeira dos demais serviços da obra. Assim, se o construtor executou 9% do valor da obra em determinado mês, por exemplo, teria direito a 9% do pagamento previsto contratualmente para a Administração Local. Nesse sentido, o Acórdão TCU 2.622/2013 – Plenário recomendou estabelecer, nos editais de licitação, critério objetivo de medição para a administração local, estipulando pagamentos proporcionais à execução financeira da obra, abstendo-se de utilizar critério de pagamento para esse item como um valor mensal fixo, evitando-se, assim, desembolsos indevidos de administração local em virtude de atrasos ou de prorrogações injustificadas do prazo de execução contratual, com fundamento no art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal e no arts. 55, inciso III, e 92, da Lei n. 8.666/1993; (TCU, 2014, p. 79, grifamos.)

Inclusive, no Acórdão nº 1.247/2016
do Plenário, o TCU já determinou a adoção de medidas para adequar a forma de
remuneração do custo relativo à administração local, para evitar
superfaturamento caracterizado pelo recebimento antecipado dos valores dessa
rubrica.

Ao considerar que o custo
“administração local” é direto e certo, cuja indicação deve ocorrer de forma
minuciosa entre os demais encargos diretos que compõem o demonstrativo de
formação de preço da obra, é preciso ponderar os reflexos que incidem nesse item
em razão do aditamento, que interfere no prazo de execução (art. 57, § 1º,
incs. I e IV, c/c art. 65, inc. I, da Lei nº 8.666/1993 – supondo contrato
firmado com base na Lei nº 8.666/1993).

Lembramos que o termo aditivo da
alteração contratual, com a consequente prorrogação de prazos (execução e
vigência), deve assegurar ao particular o equilíbrio econômico-financeiro do
contrato. Logo, se a necessidade de prorrogar o prazo de execução (e, por
consequência, o de vigência) não decorre de culpa da contratada, mas de fato
estranho à sua vontade, os valores a serem pagos a título de
“administração local”, durante o período de prorrogação, devem
preservar o equilíbrio da equação econômico-financeira
.

Obras e serviços de engenharia: que tal uma capacitação sobre os impactos da pandemia nos contratos em execução e nos novos? E mais: orçamento | BDI | manutenção de imóveis | facilities | novidades da Lei nº 14.011/2020.

[Blog da Zênite] Em contrato de obra, diante da prorrogação do cronograma de execução, é necessário revisar a “administração local”?

caput do § 1º do art. 57 da Lei de Licitações, que indica as hipóteses que autorizam a prorrogação dos prazos contratuais, é expresso nesse sentido.

Nesse cenário, a Administração deve avaliar o total das despesas que integram o item “administração local” conforme o demonstrativo de formação de preços e, a partir disso, promover a recomposição do preço de acordo com a elevação dos custos que esse item sofrerá com o aumento do prazo contratual. Importante: desde que as alterações que motivaram a prorrogação do cronograma de execução não demandem modificações nos componentes da “administração local”, seja para mais, seja para menos.

Vejamos um exemplo: a Administração
firmou contrato em que foi ajustado o valor de R$ 200.000,00 a título de
administração local para um período inicial de execução de 24 meses. Foi
celebrado um aditamento, que prorrogou o prazo inicial por mais 6 meses. Para
custear as despesas /desses 6 meses de administração local, a princípio, a
Administração deverá revisar o contrato para que passe a contemplar, nesse
item, R$ 50.000,00 a mais, mantidas as obrigações para o período respectivo.

A cautela que recomendamos aqui é
não adotar o critério de pagamento fixo mensal a título de administração local,
mas vincular o pagamento ao cronograma físico-financeiro. Assim, à medida que a
obra for sendo executada durante a prorrogação, a parcela relativa à
administração local vai sendo remunerada proporcionalmente. Dessa forma,
evita-se questionamento quanto à definição dos custos para o período de
prorrogação contratual.

Outro cuidado diz respeito à
revisão do contrato para adequar o pagamento da verba de administração local
quando prorrogado o prazo de execução. A revisão somente será cabível se essa
prorrogação não decorrer de culpa do contrato. Vejamos entendimento do TCU:

Nos aditivos contratuais, é indevido acréscimo nos valores dos serviços “administração local” e “operação e manutenção do canteiro” em caso de atraso na execução da obra por culpa exclusiva da contratada, porquanto resta afastada a possibilidade de reequilíbrio econômico-financeiro da avença, nos termos do art. 65, inciso II, alínea d, da Lei 8.666/1993. (TCU, Acórdão nº 178/2019, Plenário.)

Concluímos que, em contrato de
execução de obra, desde que a prorrogação do cronograma de execução não decorra
de culpa da contratada, é necessário revisar o item “administração local” como
condição para assegurar a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro da contratação.

REFERÊNCIAS

TCU – Tribunal de Contas da União. Orientações
para a elaboração de planilhas orçamentárias de obras públicas. 
Brasília:
TCU, 2 dez. 2014. Disponível em:
https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/orientacoes-para-elaboracao-de-planilhas-orcamentarias-de-obras-publicas.htm.
Acesso em: 5 abr. 2019.

Versão deste material está disponível no Zênite Fácil, ferramenta que reúne todo o conteúdo sobre contratação pública produzido pela Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Colunas & Autores

Conheça todos os autores