O TCU poderá declarar inidônea empresa que contratou com município? Se positivo, qual o alcance dessa sanção?

Sanções Administrativas

De acordo com o disposto no art. 46 da Lei nº 8.443/92, que institui a Lei Orgânica do Tribunal de Contas da União, “verificada a ocorrência de fraude comprovada à licitação, o Tribunal declarará a inidoneidade do licitante fraudador para participar, por até cinco anos, de licitação na Administração Pública Federal”.

Assim, o que se discute é se seria possível o Tribunal de Contas da União aplicar essa sanção à licitante que tenha cometido fraude comprovada à licitação processada por órgão ou entidade vinculada a estado, ao Distrito Federal ou a município, envolvendo recursos repassados pela União mediante convênio, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres. E, se possível, qual seria o alcance dessa sanção, ou seja, se o licitante ficará impedido de licitar e contratar, por até cinco anos, apenas com órgãos e entidades da Administração Pública federal ou da Administração do ente da Federação a que se vincula o órgão ou a entidade promotora do certame.

Primeiramente, cumpre lembrar que o art. 71, inc. VI, da Constituição Federal outorga competência ao Tribunal de Contas da União para fiscalizar a aplicação de recursos repassados pela União, mediante convênio, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres, a estado, ao Distrito Federal ou a município.

Assim, não haveria razão capaz de justificar a aplicação da sanção prevista no art. 46 da Lei em tela apenas no caso de ocorrência de fraude comprovada à licitação promovida por órgão ou entidade federal. Do mesmo modo, não se vislumbra fundamento para, nas situações envolvendo a aplicação de recursos federais por órgãos e entidades vinculadas a estado, ao Distrito federal ou a município, que a sanção aplicada com base no art. 46 da Lei nº 8.443/92 tenha seus efeitos limitados às licitações promovidas pela Administração Pública federal, conforme sugere a interpretação literal da norma.

Você também pode gostar

O Tribunal de Contas da União debruçou-se sobre esse assunto no julgamento do Acórdão nº 348/2016 – Plenário, oportunidade na qual o r. Min. Relator ponderou em seu Voto:

 Tal acepção não convém ao conceito contemporâneo da Administração Pública Federal. Repudia-se, pois, a leitura estrita da expressão “licitação na Administração Pública Federal”, já que a norma sancionadora abrange todos os processos licitatórios em que agentes públicos de outras unidades federativas atuam como longa manus da União, na execução de políticas nacionais de alcance local e regional ou em regime de mútua cooperação.

Ocorre que, no caso das transferências voluntárias da União, realizadas por meio de convênios, contratos de repasse, acordos e instrumentos congêneres, por força das normas federais de Direito Administrativo e Financeiro, a União é a titular da totalidade dos direitos de crédito sobre os recursos repassados ao convenente e apenas delega ao ente executor a atribuição de interesse público, devendo este responder ao ente repassador pela correta aplicação da despesa pública. A licitação realizada continua sendo federal e o seu realizador, para todos os efeitos, responde perante à União, como se dela funcionário fosse, até mesmo para efeitos criminais.

E tal procedimento decorre de normas de antiga extração, a exemplo do Decreto-lei 200, que apresentava o princípio da descentralização dos recursos, que nada mais era que a própria Administração Pública Federal a agir, mediante o instrumento da descentralização da execução e repasse dos recursos. A obra continua federal, meramente executada pelo ente federativo.

Compatível com essa realidade, a única intelecção que se pode emprestar ao objeto sobre o qual recaem os efeitos da norma sancionadora é aquela que abranja não somente os processos licitatórios realizados por órgãos e entidades da Administração Pública Federal, Direta e Indireta, mas também aqueles certames promovidos por entes públicos, de outras esferas da federação, que assumem, perante a União e nos termos da legislação de regência, obrigação de comprovar o regular emprego dos recursos federais a eles repassados por meio de transferências voluntárias.

À guisa de outros argumentos somados a estes, conclui o Ministro Relator:

O poder outorgado pela Lei 8.443/1992 ao TCU de declarar a inidoneidade temporária do licitante fraudador tem seu campo de incidência delimitado pela competência fiscalizadora conferida ao Controle Externo pela Constituição Federal, o qual se irradia sobre a legislação ordinária e abrange os recursos federais transferidos voluntariamente a estados, municípios e a entidades privadas. Dessa forma, não poderia o TCU estar impedido de obstar a participação de pessoas ou empresas inidôneas em licitações promovidas à custa de transferências voluntárias realizadas pela União, sob pena de negar a sua indeclinável competência.

De igual forma, é inconcebível que o licitante seja declarado inidôneo pelo TCU, por ter fraudado licitação promovida por determinado ente da federação ou agente privado, no âmbito de transferência voluntária da União, e esse impedimento não se aplicar às outras licitações – federais – que venham a ser promovidas por esse mesmo convenentes em outros repasses voluntários de recursos federais.

E, com base nessa ordem de ideias, concluiu o Tribunal de Contas da União:

9.2. firmar entendimento, com fundamento no art. 46 da Lei 8.443/1992, de que:

9.2.1. as sanções de declaração de inidoneidade impostas pelo TCU alcançam as licitações e contratações diretas, promovidas por estados e municípios, cujos objetos sejam custeados por recursos oriundos de transferências voluntárias da União;

Diante disso, é possível que o Tribunal de Contas da União, com base no art. 46 da Lei nº 8.443/92, aplique sanção de declaração de inidoneidade em face de uma empresa que contratou com o município quando este recebia recursos repassados pela União, mediante convênio, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres, a estado, ao Distrito Federal ou a município. E, nesse caso, o impedimento determinado pela sanção aplicada “abrange as licitações e contratações diretas promovidas por estados e municípios, cujos objetos sejam custeados por recursos oriundos de transferências voluntárias da União”, não se restringindo apenas à licitação na Administração Pública, como sugere a interpretação literal do citado art. 46.

Nota:  Esse material foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos, na seção Perguntas e Respostas. A Revista Zênite e o Zênite Fácil esclarecem as dúvidas mais frequentes e polêmicas referentes à contratação pública, nas seções Orientação Prática e Perguntas e Respostas. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

 

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores