Art. 54 da Lei de Licitações – Exemplo de aplicação prática

Contratos Administrativos

O art. 54 da Lei de Licitações prevê a possibilidade de a “teoria geral dos contratos” ser aplicada supletivamente aos contratos administrativos. Com aplicabilidade consideravelmente complexa, o dispositivo, segundo entendemos, é salutar, e pode resolver uma série de problemas práticos recorrentes no dia a dia daqueles que trabalham com contratações públicas. Demonstramos isso com um caso hipotético, o qual passamos a descrever

– Imagine determinado contrato por empreitada, cujo objeto seja a elaboração de projeto básico para a construção de uma obra, com prazo de execução de 90 (noventa) dias. Imagine que o particular contratado, de forma injustificada, não observa aquele prazo, e ainda entrega o projeto inacabado, com elementos incompatíveis com o objeto descrito no ato convocatório do certame.

– A autoridade competente, ao se deparar com essa situação, realiza análise de conveniência e oportunidade, e decide que não é interessante abrir prazo para que o particular retifique e finalize o projeto. Ela consulta a Lei nº 8.666/93, e observa em seu art. 76 que a primeira medida a ser tomada é rejeitar completamente o serviço, já que o escopo encontra-se incompatível com aquilo que foi acordado inicialmente. Além disso, promove a abertura de processo administrativo, visando rescindir a avença com base no art. 78, inc. II, da Lei de Licitações, e ainda aplicar as devidas sanções administrativas ao particular inadimplente (art. 87 daquela mesma Lei).

– Ocorre que o particular, ao ser notificado do processo, comparece perante a Administração, requerendo a realização de pagamento parcial pela parcela do objeto por ele executada, ainda que em desacordo com o descritivo presente no ato convocatório do certame e no termo contratual.

– A autoridade competente consulta novamente a Lei nº 8.666/93, e observa que ela não contém nenhum dispositivo que trate do tema especificamente. Surge então o temor de incorrer em enriquecimento ilícito. O que fazer?

Uma das possíveis saídas, parece-nos, consiste exatamente em aplicar ao caso a dita “teoria geral dos contratos”. Logo, poderá a autoridade competente fazer uso do art. 54, da Lei de Licitações, e avocar o conteúdo do art. 476 do Código Civil, o qual prevê que “Nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro”.

No caso concreto, ao rejeitar completamente o objeto entregue pelo contratado, a administração deixou de dar quitação às suas obrigações. Dito de outra forma, ela deixou de reconhecer o cumprimento das obrigações do particular. E, se essas obrigações não foram adimplidas, então, na forma do art. 476 do Código Civil, não pode o particular exigir a obrigação devida pela Administração, qual seja, a realização de pagamento.

A aplicação da “teoria geral dos contratos”, nesse caso, fundamenta a inviabilidade de o particular exigir qualquer tipo de pagamento, resguardando assim o erário e o interesse público.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores