A duração dos contratos na nova Lei de Licitações

Uncategorized

1. Introdução Após quase 28 anos de vigência, a Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações e Contratos administrativos) foi revogada pela Lei 14.133, de 1º de abril de 2021. A vetusta Lei 8.666/1993 não deve deixar saudades. Com efeito, a necessidade de modernização das normas de licitações e contratações públicas tem sido defendida pela doutrina, jurisprudência e pelos gestores públicos. Isso porque o regime tradicional instituído, inicialmente, pelo Decreto-lei 2.300/1986 e, posteriormente, pela Lei 8.666/1993, sempre foi marcado pelo excesso de formalismos e não trouxe o benefício esperado que seria a diminuição da corrupção no bojo das contratações públicas, com a redução da discricionariedade do administrador e a ampliação dos mecanismos de controle. A Lei 14.133/2021 (também denominada, no presente artigo, como “nova Lei de Licitações”) é marcada pela incorporação das diversas tendências encontradas nas leis especiais de contratações públicas, notadamente na Lei 10.520/2002 (Lei de pregão) e na Lei 12.462/2011 (Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC), assim como na positivação das orientações jurisprudenciais (especialmente do Tribunal de Contas da União) e doutrinárias.[1] Ademais, a nova Lei de Licitações preserva grande parte dos institutos tradicionalmente previstos na Lei 8.666/1993 (vide, por exemplo, algumas hipóteses de dispensa e de inexigibilidade de licitação), bem como menciona instrumentos utilizados, inicialmente, no âmbito das concessões de serviços públicos, como, por exemplo, o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) que terá, portanto, a sua aplicação ampliada para as contratações em geral. É verdade que a nova Lei de Licitações não se resume à incorporação de disposições normativas e orientações dos órgãos de controle já conhecidas pelo ordenamento jurídico pátrio. Algumas novidades “reais” podem ser encontradas no seu texto, tal como ocorre, por exemplo, com a incorporação da modalidade do diálogo competitivo, tradicionalmente utilizado no Direito europeu (Diretiva 2004/18/CE do Parlamento Europeu e do Conselho) e com a extinção das modalidades tomada de preços e convite. É importante destacar que, a nova Lei de Licitações revogou, na data da sua publicação, os arts. 89 a 108 da Lei 8.666/1993 relativos aos crimes e às penas. Contudo, os demais dispositivos da Lei 8.666/1993, assim como a Lei 10.520/2002 (Pregão), e os arts. 1.º a 47 da Lei 12.462/2011 (RDC), permanecerão em vigor por mais 2 (dois) anos após a publicação da nova Lei de Licitações, na forma do art. 193 da Lei nº 14.133/2021. Portanto, durante 2 (dois) anos, os gestores públicos poderão optar entre a aplicação da nova Lei de Licitações ou manutenção dos regimes jurídicos tradicionais de licitação, inclusive na disciplina da duração dos contratos administrativos. Trata-se de escolha inerente à discricionariedade dos gestores. O que não é permitido, naturalmente, é mesclar os dispositivos da legislação tradicional com aqueles inseridos na nova Lei de Licitações. O presente texto pretende esboçar as primeiras impressões sobre o regime jurídico da duração dos contratos administrativos previsto no texto da nova Lei de Licitações, destacando as principais novidades em relação ao tradicional regime consagrado na Lei 8.666/1993.

Os artigos e pareceres assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores, inclusive no que diz respeito à origem do conteúdo, não refletindo necessariamente a orientação adotada pela Zênite.

Gostaria de ter seu trabalho publicado no Zênite Fácil e também no Blog da Zênite? Então encaminhe seu artigo doutrinário para editora@zenite.com.br, observando as seguintes diretrizes editoriais.


[1] OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. A nova Lei de Licitações: um museu de novidades? Revista Colunistas de Direito do Estado, n. 474, 23 dez. 2020. Disponível em: <http://www.direitodoestado.com.br/colunistas/rafael-carvalho-rezende-oliveira/a-nova-lei-de-licitacoes-um-museu-de–novidades>. Acesso: 05.01.2021. Sobre o regime jurídico instituído pela nova Lei de Licitações, vide: OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. Nova lei de licitações e contratos administrativos: comparada e comentada, Rio de Janeiro: Forense, 2021. Não obstante a inspiração em institutos já encontrados no ordenamento jurídico, “a nova lei de nada adiantará se lida com os olhos no passado”. MOREIRA, Egon Bockmann. A futura Lei de Licitações: o desafio de sua interpretação autônoma. Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/publicistas/lei-de-licitacoes-publicistas-23022021>. Acesso em: 23 fev. 2021.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores