Regime de contratação temporária por parte da ECT

Terceirização

Sempre mereceu cautela a análise de questões afetas à contratação de mão-de-obra temporária por parte da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT.

A problemática acerca do regime a ser aplicado às contratações de mão-de-obra temporária da ECT tiveram origem com o entendimento do STF acerca da natureza jurídica para fins de imunidade tributária. A exemplo do posicionamento sustentado no ACO nº 959/RN, tem-se que o STF equiparou a ECT às autarquias.

Em vista disso, a Segunda Câmara do Tribunal de Contas da União, no Acórdão nº 3.566/2008, determinou que uma unidade da ECT observasse o regime de contratação temporária instituído pela Lei nº 8.745/93 (que dispõe sobre a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, nos termos do inciso IX do art. 37 da Constituição Federal), bem como o regime de terceirização constante do Decreto nº 2.271/97 (que dispõe sobre a contratação de serviços pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional). O fundamento utilizado para tanto versava justamente sobre a equiparação da ECT às autarquias feita pelo STF ao julgar questões afetas à imunidade tributária.

Por essa razão, a orientação era de que as contratações temporárias da ECT deveriam seguir as regras constantes da Lei nº 8.745/93 e do Decreto nº 2.271/97.

Contudo, recentemente, no Acórdão nº 3.888/2011, a Segunda Câmara do TCU manifestou-se de forma diversa, conforme se infere da ementa do Acórdão:

“1. Dada sua natureza jurídica de empresa pública, não se aplicam às contratações temporárias de mão-de-obra dos Correios a Lei 8.745/1993 e o Decreto 2.271/1997”.

Essa conclusão decorre do entendimento de que a equiparação da ECT às autarquias restringiu-se à esfera tributária, de modo que, para os demais fins, a ECT mantém seu caráter de empresa pública. Por conseqüência, a ECT não estaria inserida  no âmbito de aplicação dos referidos diplomas normativos (que não abrangem as empresas públicas, mas tão-somente a Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional), razão pela qual as contratações temporárias da ECT devem ser regidas pela Lei nº 6.019/74.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores