Quais os requisitos para aderir à ata de registro de preços?

Registro de Preços

A adesão à ata de registro de
preços por órgão não participante de sua formação, procedimento chamado de
“carona”, recebe críticas por parte da doutrina,1 que entende
pela ilegalidade da prática, em razão de a Lei nº 8.666/1993 não tratar do
assunto.

Porém, grande parte dos entes da
Federação têm regulamentos que, a exemplo do Decreto nº 7.892/2013 (art. 22),
permitem que órgão ou entidade da Administração Pública que não tenha
participado dos procedimentos iniciais da licitação contrate por adesão à ata
de registro de preços, atendidos alguns requisitos.

Tomando o Decreto nº 7.892/2013
como referência, a primeira condição a ser atendida será que a ata à qual se
pretende aderir tenha reservado quantitativo do objeto para ser adquirido por
órgãos não participantes. Essa condição está prevista no art.
9º, inc. III, do Decreto nº 7.892/2013 e, segundo o Plenário do TCU:

a falta de estimativa prévia, no edital, das quantidades a serem adquiridas por não participante impede a adesão desses entes a atas de registro de preços conformadas após o início da vigência do novo Decreto 7.892/2013. (TCU, Acórdão nº 855/2013, Plenário, Rel. Min. José Jorge, 10.04.2013.)

Você também pode gostar

A segunda condição a ser observada
consiste em obter a anuência do órgão gerenciador, ou seja, o “dono” da ata. O
art. 22 do Decreto nº 7.892/2013 deixa clara a necessidade de a adesão ser
precedida de anuência do órgão gerenciador.

Outro requisito imposto pelo
Decreto nº 7.892/2013 é a observância a determinados limites quantitativos para
a adesão. De acordo com o disposto nos §§ 3º e 4º do art. 22 desse
regulamento, cada órgão não participante poderá contratar, por adesão,
até 50% do quantitativo de cada item registrado 
para o órgão
gerenciador e órgãos participantes.

Além disso, o quantitativo total
fixado para adesões no edital, na forma do art. 9º, inc. III, não poderá não
poderá exceder, na totalidade, ao dobro do quantitativo de cada item registrado
na ata de registro de preços para o órgão gerenciador e para os órgãos
participantes, independentemente do número de órgãos não participantes que
aderirem.

Outra condição fundamental para a
adesão é cumprir, previamente, o dever de planejar a contratação. Inclusive,
conforme indica precedente do TCU, a contratação por adesão a atas de registro
de preços não dispensa a realização da fase de planejamento. Nesse sentido,
cita-se a determinação contida no Acórdão nº 1.233/2012 do Plenário:

9.3. determinar, com fundamento na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c RITCU, art. 250, inciso II, à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI/MP) que:

[…]

9.3.3. quando realizarem adesão à ata de registro de preços atentem que:

9.3.3.1. o planejamento da contratação é obrigatório, sendo que se o objeto for solução de TI, caso seja integrante do Sisp, deve executar o processo de planejamento previsto na IN – SLTI/MP 4/2010 (IN – SLTI/MP 4/2010, art. 18, inciso III) ou, caso não o seja, realizar os devidos estudos técnicos preliminares (Lei 8.666/1993, art. 6º, inciso IX); (TCU, Acórdão nº 1.233/2012, Plenário.)

Além do dever de cumprir a fase de
planejamento da contratação integralmente, o TCU também já determinou que não
se admite simplesmente copiar, parte ou totalidade, do termo de referência do
órgão gerenciador para esse fim. Essa determinação constou do Acórdão nº
509/2015 do Plenário.

É por meio do devido planejamento
que a Administração terá condições de demonstrar a vantajosidade da
contratação por adesão, de modo a evidenciar a compatibilidade das condições
fixadas na ata à qual se pretende aderir em vista da demanda do órgão não
participante, conforme exigido pelo TCU no Acórdão nº 1.202/2014 do Plenário.

Tão importante quanto a
demonstração da compatibilidade das condições registradas em ata às
necessidades do órgão não participante será comprovar a adequação do preço
registrado em vista dos valores correntes de mercado. Essa é mais uma condição
para a adesão a uma ata de registro de preços, conforme apontam os precedentes
do TCU, a exemplo do Acórdão nº 2.764/2010 do Plenário:

9.2.2. providencie pesquisa de preço com vistas a verificar a compatibilidade dos valores dos bens a serem adquiridos com os preços de mercado e a comprovar a vantagem para a Administração, mesmo no caso de aproveitamento de Ata de Registro de Preços de outro órgão da Administração Pública, em cumprimento ao art. 15, § 1º, da Lei nº 8.666/1993; requer a realização de pesquisa de preços de mercado, a fim de atestar a compatibilidade dos valores do objeto registrado em ata com os preços de mercado e confirmar a vantajosidade obtida com o processo de adesão. (TCU, Acórdão nº 1.202/2014, Plenário.) (Grifamos.)

Mais um requisito a ser observado
quando da formalização da adesão a atas de registro de preço é a
necessidade de os contratos decorrentes desses procedimentos serem celebrados
em até 90 dias da anuência para adesão expedida pelo órgão gerenciador
,
observado sempre o prazo de vigência da ata.2

Com base nesses apontamentos, os
principais requisitos e formalidades para a adesão a uma ata de registro de
preços podem ser assim resumidos:

– a ata à qual se pretende aderir
deve ter reservado, expressamente, quantitativo para contratações a serem
celebradas por órgãos não participantes;

– a contratação por adesão requer
anuência do órgão gerenciador da ata;

– o quantitativo máximo a ser
contratado por adesão será indicado pelo órgão gerenciador e não poderá ser
superior a 50% dos quantitativos dos itens do instrumento convocatório e
registrados na ata de registro de preços para o órgão gerenciador e órgãos
participantes;

– o procedimento de adesão deve ser
precedido de planejamento, no qual o órgão não participante demonstre a
adequação dos termos e das especificações da ata para atendimento de sua
demanda, bem como a compatibilidade dos preços;

– as contratações decorrentes de
adesão a atas de registro de preços devem ser celebradas em até 90 dias da
anuência para adesão expedida pelo órgão gerenciador, observado sempre o prazo
de vigência da ata.

REFERÊNCIA

1NIEBUHR, Joel
de Menezes. Carona em ata de registro de preços – Atentado veemente aos
princípios de Direito Administrativo. Revista Zênite ILC – Informativo
de Licitações e Contratos
, Curitiba: Zênite, n. 143, p. 13, jan. 2006,
seção Doutrina/Parecer/Comentários. 

2 Conforme
prevê o inc. XI do art. 5º do Decreto nº 7.892/2013, o órgão gerenciador pode
autorizar, excepcional e justificadamente, a prorrogação desse prazo,
mantendo-se o dever de respeitar o prazo de vigência da ata.

Nota: Versão do material acima está
disponível no
Zênite Fácil, ferramenta
que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública.
Acesse 
www.zenite.com.br e conheça essa e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Colunas & Autores

Conheça todos os autores