Quais os critérios de desempate previstos na Lei das Estatais e qual a ordem de aplicação?

Estatais

A Lei nº 13.303/16 instituiu um novo conjunto de normas, princípios e regras a ser aplicado às contratações das empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias.

Tratando-se de um novo regime jurídico, entende-se que a Lei nº 13.303/16 afasta a incidência das regras estabelecidas pelas Leis nºs 8.666/93, 10.520/02 e 12.462/11 (RDC) sobre as licitações e os contratos das empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias.

Com base nisso, na hipótese de, ao final de uma licitação realizada por empresa estatal sob as regras da Lei nº 13.303/16, e ela terminar com duas ou mais licitantes empatadas, o desempate deverá observar a ordem sequencial dos critérios definidos no art. 55:

Art. 55. Em caso de empate entre 2 (duas) propostas, serão utilizados, na ordem em que se encontram enumerados, os seguintes critérios de desempate:

I – disputa final, em que os licitantes empatados poderão apresentar nova proposta fechada, em ato contínuo ao encerramento da etapa de julgamento;

II – avaliação do desempenho contratual prévio dos licitantes, desde que exista sistema objetivo de avaliação instituído;

III – os critérios estabelecidos no art. 3º da Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991, e no § 2º do art. 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993;

IV – sorteio.

Você também pode gostar

A aplicação desses critérios pressupõe a verificação de condição de empate entre duas ou mais licitantes depois de finalizadas as etapas de apresentação de lances ou propostas, conforme o modo de disputa adotado; julgamento; e verificação de efetividade de lances ou propostas.

Ainda, para formação da condição de empate, já deverá ter sido aplicado eventual direito de preferência para microempresa ou empresa de pequeno porte1 e ainda assim ter remanescido a condição de empate entre duas ou mais licitantes.

Com base nesse cenário, fica evidente que a condição de empate de que trata a Lei nº 13.303/16 é aquela na qual as licitantes empatadas formularam lances ou propostas idênticas e nem mesmo a aplicação de eventual direito de preferência das microempresas e empresas de pequeno porte foi capaz de modificar essa condição.

Nesse caso, o caput do art. 55 deixa claro que os critérios previstos em seus incisos deverão ser aplicados “na ordem em que se encontram enumerados”. Sobre os critérios, destacam-se:

i) Para a disputa final, em que os licitantes empatados poderão apresentar nova proposta fechada, em ato contínuo ao encerramento da etapa de julgamento, caberá ao regulamento de cada estatal disciplinar o prazo e a forma de apresentação da nova proposta. Caso o regulamento não trate do assunto, o ideal seria o edital fazê-lo.

ii) O sistema de avaliação de desempenho contratual prévio dos licitantes, previsto no inc. II não se confunde com o sistema de registro cadastral, no qual são informadas eventuais aplicações de sanções em função do descumprimento de obrigações contratuais, mas que não impedem a participação em futuros procedimentos licitatórios, tais como advertências e multas. Trata-se, em verdade, de sistema que tem como finalidade avaliar o desempenho da licitante em contratos anteriores e atribuir-lhe uma nota, criando assim um ranking. Para tanto, é indispensável a instituição desse sistema por ato normativo próprio.

iii) A aplicação dos critérios estabelecidos no art. 3º da Lei nº 8.248/91 somente é cabível nas contratações cujos objetos sejam compatíveis com esses critérios, ou seja, contratações envolvendo bens de tecnologia da informação, para os quais existe regulamentação definindo o que se deve entender por bens desenvolvidos com tecnologia nacional (Portaria MCT nº 950) e no que consiste o Processo Produtivo Básico (PPB) (Decreto nº 5.906/06).

iv) De preferência, caberá ao regulamento de cada estatal disciplinar a forma pela qual se realizará sorteio para promover o desempate entre licitantes e, na falta dessa previsão no regulamento, deve-se buscar orientação no edital. Sendo este também silente, caberá à autoridade que conduz o procedimento defini-la em sessão pública.

Nota: O material acima é versão resumida e adaptada de conteúdo publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos, na seção Perguntas e Respostas. A Revista Zênite e o Zênite Fácil esclarecem as dúvidas mais frequentes e polêmicas referentes à contratação pública, nas seções Orientação Prática e Perguntas e Respostas. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores