Os limites da receita bruta e os valores do art. 48 para realização de licitação exclusiva

Microempresas e empresas de pequeno porte

De acordo com a atual redação do
art. 48 da Lei Complementar nº 123/2006, na hipótese em que o valor da
contratação for de até R$ 80.000,00, é necessário realizar a licitação com a
participação exclusiva de micro e pequenas empresas (inc. I). Se superado esse
valor e, ainda, tratar-se de objeto divisível, então, deve-se reservar cota de
até 25% para disputa em separado por ME e EPP (inc. III). Em caráter
facultativo, o inc. II do art. 48 da LC nº 123/2006 prevê a subcontratação de
ME ou EPP.1

Como se pode perceber, a incidência
do dever de destinar a licitação para disputa exclusiva ou reservada entre
pequenas empresas não se relaciona com os valores
estabelecidos para o enquadramento das pessoas jurídicas no regime
diferenciado.

A LC nº 123/06 mantém-se objetiva e
inalterada quanto aos critérios aplicáveis para determinar o dever de realizar
a licitação exclusiva (contratação com valor de até R$ 80.000,00) e licitação
com cotas reservadas (objetos de natureza divisível cujo valor supere R$
80.000,00).

Logo, pode-se afirmar que a entrada
em vigor dos novos valores para fins de enquadramento das pessoas jurídicas
como ME ou EPP não afetou a análise a ser feita em torno da aplicabilidade do
art. 48, incs. I e III, da LC nº 123/2006.

Sobre os novos limites para
enquadramento como ME e EPP, veja-se a redação do art. 3º da LC nº 123/2006
após a alteração promovida pela LC nº 155/2016:

Você também pode gostar

Art. 3º Para os efeitos desta Lei Complementar, consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte, a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresário a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, conforme o caso, desde que:

I – no caso da microempresa, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais); e

II – no caso de empresa de pequeno porte, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais).

Com a modificação legal, houve a
ampliação do limite de receita bruta a ser observado para fins de
beneficiamento do regime de que trata a LC nº 123/2006, passando de R$
3.600.000,00 para R$ 4.800.000,00.

Segundo o art. 11, inc. III, da LC
nº 155/2016, a alteração do inc. II do art. 3º da LC nº 123/2006 somente passou
a surgir efeitos a partir de 1º.01.2018.

Concluindo, a ampliação do limite
de receita bruta estabelecido no art. 3º da LC nº 123/2006 não afetou a
condição fixada pela aludida lei, que impõe a realização de licitação destinada
à participação exclusiva de MEs e EPPs, qual seja, o valor estimado.

1 A LC nº
123/2006 apenas excepcionou esse dever nos casos elencados em seu art. 49.

Nota: O material acima foi originalmente
publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos, na seção
Perguntas e Respostas, e está disponível no
Zênite Fácil, ferramenta
que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública.
Acesse 
www.zenite.com.br e conheça essa e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores