Objetos que podem ser contratados por meio do registro de preços

Registro de Preços

Quais objetos podem ser licitados por meio do registro de preços?  Para responder a essa questão, é preciso iniciar pelo pressuposto básico do registro de preços, ou seja, a ideia de incerteza envolvendo a demanda, a qual impõe a necessidade de contratação sob condição.

Em contratação pública, quando se elege um pressuposto para definir o cabimento de um instituto jurídico, como é o caso da incerteza em relação ao registro de preços ou da inviabilidade da competição no tocante à inexigibilidade de licitação, o que fazemos é definir uma premissa de raciocínio que não é, em princípio, condicionada diretamente pelo objeto, mas sim que o condiciona.

Com isso, afirmamos, em princípio, que todo e qualquer objeto pode ser contratado por meio de registro de preços, desde que esteja presente o seu pressuposto lógico. Dessa forma, não é fundamental questionar se o objeto “A”, “B” ou “C” pode ser contratado por meio de registro de preços, mas sim indagar se a referida contratação se reveste de incerteza em razão da demanda a que ela se dispõe a atender.

É o cabimento do pressuposto que deve nortear a escolha do modelo de contratação a ser adotado, independentemente do objeto visado.  Assim, fixada essa premissa básica, caberá ao gestor, diante de cada situação concreta, avaliar e adotar o registro de preços, se for esse o caso. Esse critério tornará a decisão mais simples.

Você também pode gostar

Durante considerável período de tempo, vigorou o entendimento de que o registro de preços era cabível apenas quando a Administração desejava realizar compras; para os demais objetos, o modelo era inaplicável. Esse era um posicionamento amplo, a quase totalidade dos especialistas partilhava dessa ideia. A razão era simples, a legislação vigente, desde o Decreto-lei nº 2.300/86, ao se referir ao registro de preços, fazia menção expressa ao objeto “compra” sem falar nos demais (serviços, obras e locações), ainda que o legislador pudesse tê-los mencionado.

Posteriormente, a doutrina e os órgãos de controle em geral amadureceram melhor a questão, e houve considerável evolução no sentido de estender o modelo de contratação também para serviços. Assim, vigora atualmente a tese de que é possível se valer do registro de preços para contratar compras, serviços, inclusive de natureza técnica, e até – em alguns casos – obras de engenharia.

No entanto, é preciso reconhecer que o fundamento da referida possibilidade não é o fato de o Decreto nº 3.931/01 ter permitido isso expressamente, mas o cabimento do seu pressuposto lógico. Não é que antes não era possível e com o Decreto nº 3.931/01 passou a ser. Antes já existia tal possibilidade, apenas não era reconhecida. A ordem jurídica, nesse particular, não foi alterada; o que mudou foi apenas a sua interpretação em razão de um raciocínio lógico-extensivo.

Nesse particular, é preciso ter em conta que decreto não inova na ordem jurídica. Somente a lei pode inovar ou a interpretação que se possa extrair dela, e foi isso que ocorreu em relação à admissão da contratação de serviços por meio de registro de preços, por exemplo.

Portanto, o registro de preços é cabível para qualquer objeto, seja ele compra, serviço, locação ou obra, desde que esteja presente o seu pressuposto lógico: a incerteza em relação à demanda, seja quanto ao momento da sua ocorrência ou à sua efetiva quantidade.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores