O regime jurídico das parcerias voluntárias da Administração: Lei nº 13.019/2014

Parcerias voluntárias

Foi publicada no DOU de 1º de agosto de 2014 a Lei nº 13.019 que “estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público”.

A Lei disciplina às relações da Administração Pública com entidades qualificadas como organizações da sociedade civil nos termos da Lei nº 9.790/99[1], as quais podem ser estabelecidas mediante termo de colaboração ou termo de fomento, sendo vedada a criação de outras modalidades ou a combinação daquelas previstas na Lei (art. 41). A distinção entre esses instrumentos de parceria fica por conta da proposição do plano de trabalho, ou seja, enquanto no termo de colaboração as organizações da sociedade civil são selecionadas para a consecução de finalidades de interesse público propostas pela Administração, no fomento, as propostas partem das próprias organizações, conforme se infere dos arts. 16 e 17.

As parcerias previstas na Lei, seja na modalidade de colaboração ou fomento, serão realizadas mediante processo de chamamento público, definido no art. 2º, inc. XII, como “procedimento destinado a selecionar organização da sociedade civil para firmar parceria por meio de termo de colaboração ou de fomento, no qual se garanta a observância dos princípios da isonomia, da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos”.

O procedimento do chamamento público está regulamentado nos arts. 23 à 39 da Lei nº 13.019/14. Entre os principais aspectos que envolvem a sua realização, destaca-se: (a) a elaboração de um edital contendo os elementos mínimos definidos pela Lei; (b) o estabelecimento de exigências de capacidade técnica e operacional que envolvem a demonstração de experiência prévia na realização de objeto semelhante ao da parceria; (c) vedação à fixação de condições impertinentes ou irrelevantes para a execução do objeto da parceria que restrinjam ou frustrem o caráter competitivo do procedimento seletivo; (d) a ampla divulgação do edital em página do sítio oficial do órgão ou entidade na internet; (e) designação de uma comissão de seleção; (f) critério de julgamento das propostas definido em função do grau de adequação aos objetivos específicos do programa e ao valor de referência do chamamento; e (g) previsão de uma etapa competitiva anterior à análise da documentação relativa às exigências de capacidade técnica e operacional.

Somente nas hipóteses expressamente previstas na Lei o chamamento será inexigível ou passível de dispensa, cabendo ao administrador público justificar a ausência de realização de processo seletivo. De acordo com o art. 30, a Administração Pública poderá dispensar a realização do referido procedimento (a) no caso de urgência decorrente de paralisação ou iminência de paralisação de atividades de relevante interesse público; (b) nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem pública ou; (c) quando se tratar da realização de programa de proteção a pessoas ameaçadas ou em situação que possa comprometer a sua segurança. Por outro lado, será considerado inexigível o chamamento público na hipótese de inviabilidade de competição entre as organizações da sociedade civil, nos termos do art. 31 da Lei.

Você também pode gostar

Além da realização e chamamento público, a Lei impõe outros requisitos para a celebração e formalização do termo de colaboração e do termo de fomento a serem cumpridos pela Administração Pública, entre as quais ressalta-se a indicação expressa da existência de prévia dotação orçamentária para execução da parceria, a emissão de parecer do órgão técnico da Administração, bem como parecer da assessoria jurídica acerca da possibilidade de celebração.

É vedada, pelo normativo, a celebração de parcerias que tenham por objeto, envolvam ou incluam, direta ou indiretamente: a delegação das funções de regulação, de fiscalização, do exercício do poder de polícia ou de outras atividades exclusivas do Estado; a prestação de serviços ou de atividades cujo destinatário seja o aparelho administrativo do Estado; a contratação de serviços de consultoria e o apoio administrativo, com ou sem disponibilização de pessoal, fornecimento de materiais consumíveis ou outros bens.

No que tange à fiscalização desses instrumentos, a Lei nº 13.019 prevê a criação de uma comissão de monitoramento e avaliação pela Administração, a qual será incumbida, assim como o gestor, de acompanhar a execução das parcerias celebradas, inclusive por meio de visitas in loco, conforme o disposto no art. 58. Além disso, as organizações da sociedade civil deverão apresentar contas da boa e regular aplicação dos recursos recebidos no prazo de noventa dias a partir do término da vigência da parceria (art. 69).

Relativamente ao prazo de duração das parcerias, a Lei não estabelece qualquer limite, apenas prevê que o termo de colaboração ou termo de fomento, conforme o caso, deverá contemplar a vigência e as hipóteses de prorrogação (art. 42, inc. VI).

A Lei traz ainda disposições tratando da liberação, movimentação e aplicação dos recursos financeiros envolvidos, das alterações nas parcerias durante sua vigência, das obrigações do agente público responsável pela gestão da parceria e da possibilidade de aplicar sanções administrativas à entidade.

Em linhas gerais, esses são os principais aspectos extraídos da análise do regime jurídico instituído pela Lei nº 13.019/2014. Para conferir a íntegra do texto legal acesse http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13019.htm.


[1] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9790.htm

Continua depois da publicidade
9 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google
Carregar mais comentários

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores