Inexecução do contrato decorrente da ata de registro de preços: possibilidade de devolução do quantitativo não executado

Registro de Preços

O art. 11, inc. II do Decreto nº 7.892/13, que regulamenta o Sistema de Registro de Preços, prevê que “será incluído, na respectiva ata na forma de anexo, o registro dos licitantes que aceitarem cotar os bens ou serviços com preços iguais aos do licitante vencedor na sequência da classificação do certame, excluído o percentual referente à margem de preferência, quando o objeto não atender aos requisitos previstos no art. 3º da Lei nº 8.666, de 1993”.

O dispositivo contempla a formação de cadastro de reserva, visando o aproveitamento da ata de registro de preços em caso de cancelamento do registro do beneficiário. Nesse procedimento a Administração inclui na ata o registro dos licitantes que aceitarem cotar os bens ou serviços com preços iguais aos do vencedor, na sequência da classificação do certame, de modo que eles possam substituir o primeiro colocado da ata quando do cancelamento nas situações previstas nos arts. 20 e 21 do Decreto nº 7.892/13 (art. 11, § 1º do Decreto).

O cadastro de reserva poderá ser adotado, por exemplo, quando da inexecução contratual pelo beneficiário. Nesse caso, para que seja possível o aproveitamento do registro de preços já instituído, entende-se devida a devolução à ata da quantidade ajustada e não executada pelo beneficiário originário.

Do contrário, a inexecução contratual pelo particular limitaria o atendimento do interesse público por meio da utilização da ata vigente, na medida em que retiraria da Administração a possibilidade de valer-se do quantitativo total inicialmente estimado para fazer frente às suas possíveis demandas.

Se a finalidade de viabilizar a continuidade da ata de registro de preços com os integrantes do cadastro de reserva é permitir que a Administração se valha de um certame licitatório regularmente processado para obter o objeto registrado, não é razoável descontar da quantidade total aquela parcela que não foi executada pelo beneficiário original da ata.

Portanto, no intuito de garantir que seja alcançado o objetivo da instituição do cadastro reserva na hipótese de inexecução contratual, conclui-se que a ata deve ser recomposta com o quantitativo que não foi executado pelo seu beneficiário originário.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores