É possível conceder a licença prevista no art. 97, inc. III, da Lei nº 8.112/1990 a servidor que apresenta declaração de união estável registrada em cartório?

Regime de Pessoal

O art. 97, inc. III, da Lei nº 8.112/1990 dispõe que o servidor poderá se ausentar do serviço por oito dias em razão de seu casamento. Portanto, não contempla a hipótese de união estável.

Tendo em vista o princípio da legalidade e com base em interpretação literal da lei, a rigor, não seria possível estender a licença para casamento aos casos de registro em cartório da união estável. Isso porque união estável e casamento são instituições distintas, e a lei, ao criar o benefício para o servidor, assegurou-o em razão do casamento, não da união estável.

Contudo, a interpretação literal não basta. É preciso analisar as normas tendo em vista sua finalidade e a ordem jurídica como um todo, e não considerando apenas a legalidade estrita.

Nesse sentido, afirma-se que, em que pese o precitado dispositivo não aludir expressamente à união estável, a Administração pode estender tal benefício ao servidor que inicie união estável. Isso porque a finalidade do dispositivo é privilegiar o servidor que inicia uma nova família. E tanto o casamento quanto a união estável são entidades familiares (CF, art. 226, § 3º).

Nesse sentido, inclusive, é o atual entendimento do Ministério do Planejamento, que considera viável a concessão de licença gala ao servidor que comprovar união estável, consoante se infere da Nota Técnica nº 16.379/2017-MP, da qual se extrai o seguinte excerto:

o gozo do benefício previsto no art. 97, III, “a”, da Lei nº 8.112/90 deve ser possibilitado aos servidores que provarem por escritura pública a constituição da união estável, considerando que tanto o casamento como a união estável são formas de constituição de entidade familiar. (Grifamos.)

Dessa forma, revela-se razoável e justo conceder aos servidores que registram a união estável em cartório o mesmo direito à licença garantido para servidor público federal que contrai matrimônio.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores