É possível computar o prazo da penalidade de suspensão para fins de progressão funcional?

Regime de Pessoal

A progressão é o crescimento horizontal no cargo. Decorre da avaliação de títulos adquiridos e do tempo de exercício, evidenciando o aperfeiçoamento das aptidões do servidor na função. Importa incremento salarial, sem uma mudança de classe vertical.

Um dos requisitos para progressão funcional é o decurso de tempo no exercício do cargo. Dentro desse contexto, questiona-se se o período da penalidade de suspensão pode ser computado para fins de progressão. Para responder ao questionamento, de início, vale lembrar os contornos da suspensão. Referida sanção administrativa encontra-se prevista pelo art. 130 da Lei nº 8.112/90 nos seguintes termos:

Art. 130. A suspensão será aplicada em caso de reincidência das faltas punidas com advertência e de violação das demais proibições que não tipifiquem infração sujeita a penalidade de demissão, não podendo exceder de 90 (noventa) dias.

Você também pode gostar

Acerca dos efeitos da suspensão, Mauro Roberto Gomes de Mattos[1] observa que “o afastamento do servidor punido não é remunerado, além dele ficar privado dos direitos inerentes ao cargo, só recebendo vantagens após o encerramento da penalidade”.

Segundo leciona o doutrinador, além da remuneração, a suspensão enseja a perda dos direitos inerentes ao cargo. Nessa mesma linha, o Manual de Processo Administrativo da Controladoria-Geral da União orienta que:

Eventualmente, o exercício de direitos relacionados ao período de efetivo exercício no cargo (p. ex. licença) poderá ser prejudicado, vez que o período de suspensão do servidor faltoso não é computado para qualquer efeito.[2]

Consoante destacado pelo Manual de PAD da CGU, o período de suspensão não é computado para nenhum efeito, compreensão que é corroborada pelo fato de a suspensão não se encontrar no rol do art. 97 nem no rol do art. 102 da Lei nº 8.112/90, os quais disciplinam situações em que o servidor pode se afastar das atividades sem prejudicar a contagem de seu tempo de serviço.

Dentro desse contexto, considerando que durante a suspensão o servidor fica afastado das atividades do cargo e que, conforme explanado, o período de suspensão não é considerado para qualquer fim, no caso de imposição de penalidade de suspensão ao servidor público federal, conclui-se que não é possível computar o prazo da penalidade para fins de progressão funcional.



[1] MATTOS, Mauro Roberto Gomes de. Lei 8.112/90 interpretada e comentada. 6. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Niterói, 2012.

[2] CGU – Controladoria-Geral da União. Manual de processo administrativo. Brasília, mar. 2016.

 

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores