Desenvolvimento de Software: como garantir a qualidade?

TI - Tecnologia da Informação

Desde que entrou em vigência a Lei nº 10.520/02, doutrina e jurisprudência se ocuparam da discussão acerca do cabimento do pregão para licitar bens e serviços de tecnologia da informação. Depois de muito, concluiu-se que esta deve ser a modalidade utilizada como regra nas licitações cujo objeto são bens e serviços de TI, uma vez que quase sempre possuem especificações usuais no mercado. Ocorre que, com o julgamento realizado pelo tipo “menor preço”, a técnica essencial a algumas contratações do setor acabou preterida face à vantajosidade econômica que poderia ser obtida.

Privilegiar o preço tem suas implicações: ao mesmo tempo em que a redução das exigências técnicas trouxe mais licitantes à disputa, muito se perdeu em eficácia. Apenas para que se conheça superficialmente o cenário, trazemos o levantamento feito pelo Standish Group (www.standishgroup.com), empresa norte-americana que publica desde 1994 relatórios sobre os projetos desenvolvidos na área de TI: no último relatório (2009) foi constatado que, dos projetos de software, 24% fracassam, 44% são entregues com sucesso parcial, e apenas 32% obtêm sucesso [1]. Uma das razões para os números pouco animadores está em que, ao contrário do que se passa com a unidade de medida relativa ao quantitativo (pontos por função), não há uma métrica precisa para aferição do aspecto qualitativo quando o objeto da licitação é desenvolvimento de software.

Você também pode gostar

A implementação de exigência de certificações como critério qualitativo, entretanto, esbarra na legislação que cuida da matéria. A Lei de Licitações não prevê, no art. 30, a possibilidade de exigência de certificado de qualidade, a exemplo daqueles concedidos pelo CMMI e MPS-BR. Por outro lado, a mesma Lei já previa que as compras, sempre que possível, submetem-se a condições de aquisição semelhantes a do setor privado (Art. 15). A nosso ver, o fato de não haver previsão expressa quanto à referida exigência não obsta que o órgão/ente administrativo condicione a habilitação do licitante à apresentação de certificado. Além de tratar-se de prática corrente no mercado, a exigência não afronta o disposto na Constituição Federal, que permite sejam feitas tantas exigências quantas necessárias ao cumprimento da obrigação (art. 37, inc. XXI, parte final).

Nem se diga que a Instrução Normativa nº 04/2008, ao vedar a indicação de entidade certificadora (art. 14, VIII, “c”), impediria a exigência de certificado, pois não se trata de cumprir com as normas das já conhecidas CMMI e MPS-BR, mas de apresentar qualquer certificação cuja equivalência seja comprovada pelo licitante.

Por certo, ao se exigir a certificação de qualidade, reduz-se significativamente os casos de fracasso da contratação, já que o vencedor do certame será, necessariamente, particular que comprovadamente se utiliza das melhores práticas do setor, e que investe no desenvolvimento de seu produto (requisitos para obtenção certificado). Ainda, a Administração saberá que a mesma entidade que concedeu a certificação promove fiscalização regular para efeito de manter a condição da empresa.

Considerando que na Administração Pública brasileira medidas assecuratórias ao resultado satisfatório do contrato (boa Governança de TI, planejamento da contratação e adequada gestão do contrato) ainda fazem parte de um plano “ideal”, é preciso repensar os benefícios que as certificações de qualidade difundidas no mercado poderiam levar ao âmbito da contratação pública.


[1] Sucesso: projeto entregue conforme o prazo e o orçamento estipulados, e com boa parte do escopo;

Sucesso parcial: projeto funcionando, mas entregue sem atender ao custo, ao esforço ou com escopo parcial;

Fracasso: projeto cancelado ou não utilizado.

Continua depois da publicidade
5 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores