De acordo com o atual entendimento do STF, é cabível a equiparação dos prazos da licença-gestante e licença-adotante, ambas previstas pela Lei nº 8.112/90?

Regime de Pessoal

De acordo com o art. 207 da Lei nº 8.112/90, é de 120 dias o prazo para licença-gestante. À servidora que adota criança de até um ano é conferida licença por prazo inferior, isto é, de 90 dias, na forma do art. 210 da mesma Lei. Dentro desse contexto, questiona-se se é cabível equiparar o prazo da licença-adotante ao prazo da licença-gestante, estendendo aquela para 120 dias.

O principal fundamento para a aventada equiparação é o art. 227, § 6º, da Constituição Federal, que dispõe que “os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação”. Referido dispositivo resguarda a igualdade de direitos e qualificações aos filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, vedando quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.

Por consequência, conclui-se que se estendem aos filhos adotivos os direitos assegurados aos filhos naturais, situação que é reforçada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente – a Lei nº 8.069/90, nos termos de seu art. 41:

“Art. 41 A adoção atribui a condição de filho ao adotado, com os mesmos direitos e deveres, inclusive sucessórios, desligando-o de qualquer vínculo com pais e parentes, salvo os impedimentos matrimoniais.”

Na mesma linha, o STF entendeu que “a licença maternidade prevista no artigo 7º, XVIII, da Constituição abrange tanto a licença gestante quanto a licença adotante, ambas asseguradas pelo prazo mínimo de 120 dias” e, com base em tal premissa, reconheceu a inconstitucionalidade do art. 210 da Lei nº 8.112/90, fixando a seguinte tese de repercussão geral:

“Os prazos da licença adotante não podem ser inferiores aos prazos da licença gestante, o mesmo valendo para as respectivas prorrogações. Em relação à licença adotante, não é possível fixar prazos diversos em função da idade da criança adotada.” (STF, RE nº 778889/PE, Tema 782 da Repercussão Geral, Rel. Min. Roberto Barroso, DJE de 29.07.2016.)

Dessa forma, de acordo com o atual entendimento do STF, são equiparados os prazos de licença-gestante e licença-adotante previstos pela Lei nº 8.112/90, inclusive no que se refere às respectivas prorrogações.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores