A contribuição sindical prevista pelo art. 578 da CLT pode ser exigida dos servidores públicos estatutários?

Regime de Pessoal

Sobre a contribuição sindical, o art. 8º, inc. IV, da Constituição da República estabelece o seguinte: “a assembléia geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista em lei.”

O dispositivo em comento prevê dois tipos de contribuição, quais sejam, a contribuição estabelecida por assembleia geral (contribuição confederativa) e a contribuição sindical estabelecida por Lei, no caso, o art. 578 da CLT (parte final do dispositivo), que alcança os empregados públicos, cuja relação funcional travada com o Poder Público é regida pela CLT.

Nessa ordem de ideias, a princípio, a contribuição sindical regulamentada pelo art. 578 da CLT não abrangeria os servidores públicos estatutários, exceto se previstas em lei que disciplinasse e determinasse sua aplicação a essa categoria de servidores.

Todavia, a jurisprudência dos tribunais superiores caminha no sentido de que a contribuição sindical é devida também pelos servidores públicos estatutários, mesmo na falta de norma específica.

Você também pode gostar

O fundamento para tal entendimento é que, facultada a formação de sindicatos de servidores públicos, conforme previsão inserida no art. 37, inc. VI, da Constituição, não caberia excluí-los do regime da contribuição legal compulsória exigível dos membros da categoria. Nesse sentido, o Supremo Tribunal Federal manifestou-se:

AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. SERVIDORES PÚBLICOS. INCIDÊNCIA. DESNECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO POR LEI ESPECÍFICA. PRECEDENTES O Supremo Tribunal Federal tem se orientado no sentido de que a contribuição sindical é devida pelos servidores públicos, independentemente da existência de lei específica regulamentando sua instituição. Agravo regimental a que se nega provimento. (STF, ARE nº 807155 AgR/RS, Rel. Min. Roberto Barroso, DJe de 28.10.2014.)

Na mesma linha é a recente decisão do STJ:

TRIBUTÁRIO. AGRAVO INTERNO NO RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. ART. 578 DA CLT. SUJEIÇÃO PASSIVA DOS SERVIDORES PÚBLICOS ESTATUTÁRIOS. 1. É firme nesta Corte o entendimento acerca da obrigatoriedade do desconto da contribuição sindical dos servidores públicos civis, por aplicação do art. 578 da CLT, ainda que ostentem relação estatutária, excluindo-se da condição de contribuintes os servidores inativos. Precedentes: AgRg no RMS 47.502/SP, Rel. Min. Olindo Menezes (Desembargador convocado do TRF 1ª Região), Primeira Turma, DJe 15/2/2016; RMS 45.441/SP, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, DJe 23/4/2015; RMS 37.228/GO, Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, DJe 20/8/2013; AgRg no RMS 36.403/PI, Rel. Min. Benedito Gonçalves, Primeira Turma, DJe 20/5/2013. 2. Agravo interno não provido. (STJ, AgInt no RMS nº 49981/SP, Rel. Min. Benedito Gonçalves, DJe de 29.03.2017.)

A Advocacia-Geral da União, por sua vez, manifestou-se recentemente em sentido contrário, isto é, reputou ser indevida a exigência da contribuição sindical aos servidores públicos federais. Com base na análise de Instrução Normativa nº 1, de 17 de fevereiro de 2017, do Ministério do Trabalho, que estendeu a contribuição sindical também aos servidores públicos, a AGU lavrou o Parecer nº 00286/2017/SZD/CONJUR­MP/CGU/AGU, do qual se destacam os seguintes excertos:

“nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho, a contribuição sindical é devida pelos empregados, pelos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais, e pelos empregadores. Por outro lado, os servidores públicos encontram­se expressamente excluídos do âmbito de aplicação da consolidação trabalhista, de acordo com o seu art. 7º, ‘c’ (…).

8. Em vista da reconhecida natureza tributária da contribuição prevista no art. 578 e seguintes da CLT, todos os aspectos da respectiva hipótese de incidência devem observar o princípio da legalidade. Nesse sentido, a sujeição passiva do tributo não poderia estar prevista, originalmente, em ato normativo de caráter infralegal.

9. Constata­se, assim, que a inclusão, por meio de ato normativo, dos servidores públicos no alcance da sujeição passiva da contribuição sindical implica indevida analogia e afronta ao princípio da legalidade tributária (art. 108, § 1º e art. 97, inc. I do Código Tributário Nacional).

10. Nesse particular, ressalte­se a natureza estatutária da relação mantida entre os servidores públicos federais e a Administração, disciplinada nos termos da Lei nº 8.112/1990, e impassível de sofrer o influxo das disposições contidas na Consolidação das Leis do Trabalho.

11. Ademais, a Lei nº 8.112/1990, ao dispor sobre o direito à associação sindical dos servidores públicos, não contemplou a possibilidade de se descontar a contribuição prevista no art. 578 da CLT, mas, apenas, aquela definida em assembleia geral da categoria (art. 240, ‘c’). Como se sabe, não é possível à Administração Pública atuar sem respaldo legal, submetida que está à legalidade estrita.” (AGU, Parecer nº 00286/2017/SZD/CONJUR­MP/CGU/AGU, exarado em 09.03.2017.)

Após esse Parecer, o Ministro do Trabalho suspendeu a Instrução Normativa nº 7/17 por meio da Portaria nº 421, de 5 de abril de 2017.

Dentro desse contexto, pode-se afirmar que a exigência de contribuição sindical aos servidores públicos é matéria controvertida – na jurisprudência prevalece o entendimento de que é devida; já a Advocacia-Geral da União compreende que tal exigência não se aplica aos servidores públicos.

Continua depois da publicidade
1 comentário
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores