TRF 3ª Região: Não é devido o REEQUILÍBRIO do contrato para variações de preços previsíveis e é devido o REAJUSTE a contratos firmados por menos de 12 meses e prorrogados sucessivamente.

Contratos Administrativos

Trata-se de apelação à sentença que julgou improcedente pedido de reequilíbrio financeiro de contrato administrativo, firmado entre a autora e fundação de universidade federal, para a construção do prédio de faculdade. Requereu-se, também, o reajuste dos valores, que, em virtude de prorrogações contratuais, constaram de faturas emitidas após doze meses da celebração do contrato.

De acordo com o relator, a empresa “sustenta que a variação do preço do concreto usinado no decorrer da execução da obra, demonstrada pelos orçamentos de f. 49/53, seria causa suficiente a ensejar modulação contratual a título de reequilíbrio econômico-financeiro. Neste tocante, aduz que se tratou de circunstância imprevisível, alegação apoiada em reprografias de reportagens a respeito do aquecimento do setor de construção civil, à época”.

Passando a análise da legislação, aponta que “a Lei 8.666/1993 restringe a possibilidade de alteração contratual para restabelecimento de equilíbrio econômico-financeiro às hipóteses que elenca, numerus clausus, em seu artigo 65, II, d (…) Sucede que, muito embora a apelante tenha demonstrado a alta, em caráter geral, dos insumos à construção civil, inexiste no acervo documental destes autos comprovação a respeito de sua imprevisibilidade, tampouco da magnitude da elevação do preço do concreto usinado (…) Observe-se, a proposta orçamentária da apelante é datada de 16/11/2007 (f. 17 e 1.199). Como bem ressaltado pelo Juízo de origem, as notícias encartadas pela empresa no processo administrativo de controle do contrato (f. 210) dão conta de que a melhora de desempenho e perspectiva de expansão do setor de construção civil já eram sentidas no decorrer do ano de 2007, inclusive com repercussões na mão-de-obra (…) Ressalta evidente, portanto, que desde antes do início das obras o crescimento do setor – com a consequente elevação do preço dos insumos – não só era bastante previsível, como amplamente noticiado. Ainda, releva notar que os orçamentos apresentados são, todos, posteriores ao encerramento do prazo inicial para a conclusão da obra, de modo a causar espécie que até então não houvesse sido adquirida a totalidade do material para conclusão do edifícioO que se infere, portanto, não é a superveniência de fato imprevisível, mas eventual erro de projeção e planejamento da empresa”. 

Considerando o exposto, o relator concluiu pela improcedência do pedido de reequilíbrio do contrato

Voltando-se à análise do pedido de reajuste, afirmou que “é certo que o contrato foi firmado, inicialmente, com o prazo de 180 dias para conclusão das obras” e que a “previsão da conclusão da relação contratual em período inferior a um ano obstou disposição a respeito de índice de reajuste monetário dos valores, ante expressa vedação legal, nos termos do artigo 2º, § 1º, da Lei 10.192/2001”.

Reconheceu o julgador que o contrato foi prorrogado por meio de três aditamentos e que, a partir das diversas evidências trazidas aos autos, não é possível imputar exclusivamente à apelante o atraso das obras: “09/06/2008 foi requerida a prorrogação do prazo de execução do contrato por 90 dias, motivada, conforme alegado, por alterações no projeto de fundação e escassez de mão-de-obra especializada em carpintaria”; “Em 04/08/2008 foi apresentado novo pedido de dilação do prazo para execução das obras (…) sob a justificativa, partilhada, de que os serviços estariam em atraso por questões como indefinição do local de implantação da obra, descoberta da existência de lençol freático alto e instabilidade climática no início do ano de 2008”; “em 11/12/2008, para prever remuneração adicional de R$ 74.511,41, referente a adequações na infra-estrutura (sic) do prédio”.

Diante do exposto, o relator reconheceu a “possibilidade de reajuste dos valores avençados em lapso superior a 12 meses de seu efetivo adimplemento”, no que foi acompanhado pela turma. (Grifamos.) (TRF 3ª Região, AC nº 0003094-84.2011.4.03.6002/MS)

Nota: Esse material foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos (ILC). A Revista Zênite e o Zênite Fácil trazem mensalmente nas seções Jurisprudência e Tribunais de Contas a síntese de decisões relevantes referentes à contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores