TJ/MG: é possível quitar multa por meio de compensação com créditos do contratado?

Sanções Administrativas

Trata-se de mandado de segurança impetrado por empresa em razão da rescisão e imposição de penalidade pela inexecução de contrato administrativo. Sustenta o particular que a execução foi prejudicada pela ausência de condições técnicas, resultante do abandono da obra pela empresa de engenharia responsável pelo projeto.

Apesar disso, a Administração decidiu pela rescisão unilateral do contrato e aplicação de multa. Acrescentou que houve a compensação de parte do valor da multa com crédito decorrente de outro contrato e que a Administração a notificou, bem como a instituição financeira garantidora, cobrando o saldo remanescente da multa. Em razão disso, pleiteou o reconhecimento da desproporcionalidade das penalidades e sustentou que a aplicação da multa e a compensação do crédito não têm previsão contratual e são ilegais. O relator, ao apreciar o caso, apontou que o art. 77 da Lei nº 8.666/93 “estabelece que o inadimplemento total ou parcial do contrato enseja a sua rescisão, com as consequências legais e contratuais pertinentes”. Nesse sentido, completou indicando que foi comprovado no processo administrativo que “foram detectadas irregularidades no cumprimento do contrato, consistentes em vícios na execução dos serviços, ausência de funcionários e de engenheiro responsável pela obra”. E ressaltou que “foram encaminhadas notificações e comunicações acerca das irregularidades constatadas e realizadas diversas tentativas de corrigir os vícios e continuar a execução da obra, mas a impetrante não adotou as providências necessárias”. Em relação à rescisão, concluiu afirmando que “restou comprovado o inadimplemento por parte da impetrante e a rescisão unilateral do contrato não contém qualquer ilegalidade”. Em relação à sanção, esclareceu que a “multa pode ser aplicada em cumulação com rescisão unilateral do contrato e com outras sanções previstas em lei, conforme dispõe o art. 86, § 1º, da Lei nº 8.666, de 1993” e concluiu que a contratada “não promoveu a execução completa do contrato. Ora, comprovada a infração contratual, a multa é imperativa. Assim, a sanção imposta é regular e deve mantida”. Por fim, ao apreciar legalidade da compensação do valor da multa, indicou que essa possibilidade está autorizada nos arts. 86, § 3º, e 87, § 1º, da Lei nº 8.666/93 e afirmou que, “se a lei não restringiu a compensação de créditos e débitos derivados do mesmo contrato, não cabe ao intérprete fazê-lo”. Encerrando sua apreciação, considerou legal a compensação do valor da multa com créditos a receber da contratada. Diante de todo o exposto, negou provimento à segurança pleiteada. (Grifamos.) (TJ/MG, MS nº 1.0000.14.086886-0/000)

Nota: Esse material foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos (ILC). A Revista Zênite e a Web Zênite Licitações e Contratos trazem mensalmente nas seções Jurisprudência e Tribunais de Contas a síntese de decisões relevantes referentes à contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores