TJ/SP: É devido o pagamento de serviços prestados sem cobertura contratual, por ser vedado o enriquecimento ilícito da Administração

Contratos Administrativos

Trata-se de apelação cível
interposta por empresa contra a sentença em ação de cobrança, com pedido de
indenização por danos materiais, movida contra município, que indeferiu o
pedido de condenação ao pagamento de valores relativos a serviços prestados
após o término do contrato administrativo, bem como pagamento de indenização
por lucros cessantes e pela perda de uma chance.

A empresa alega, nas razões
recursais, que: a) o serviço contratado tem natureza essencial e imprescindível
à população, de modo que não pode ser interrompido; b) o município estava
ciente da continuidade da prestação dos serviços e jamais apresentou proposta
de renovação contratual ou de rescisão; c) agiu de boa-fé e que a inadimplência
do município representa enriquecimento sem causa; d) a ausência de termo
aditivo não exime a Administração do pagamento pelo serviço efetivamente
prestado, nos termos do art. 59 da Lei nº 8.666/1993; e) deixou de obter ganhos
que seriam aplicados no mercado financeiro e, portanto, teria direito à
indenização por lucros cessantes e pela perda de uma chance. 

O relator, ao iniciar a análise, observou que o art. 60,
parágrafo único, da Lei nº 8.666/1993 prevê que, em regra, o contrato verbal e
direto com a Administração é considerado nulo, porém, pela análise do art. 59,
parágrafo único, do mesmo diploma legal, conclui-se que a nulidade não exonera
a Administração de indenizar o contratado pelos serviços prestados.
 Prosseguiu
ressaltando que não há controvérsia nos autos e que, “após o término do
contrato administrativo firmado (nº 064/2013), a autora permaneceu na prestação
do serviço licitado, sem qualquer termo aditivo ou outro tipo de formalização,
e que o Município, por sua vez, não adimpliu com todos os serviços prestados”,
concluindo que, “ainda que se considere nula a prorrogação da prestação
dos serviços, pelo fato de terem sido executados após o término do contrato,
não há como isentar o Município do pagamento da contraprestação devida, sob
pena de se admitir o enriquecimento ilícito da Administração”
Quanto
à indenização por danos materiais relativa a lucros cessantes e perda de uma
chance, o relator concluiu não ser procedente, pois “a mera possibilidade de
benefício, genericamente considerada, não basta para a caracterização desse
tipo de dano, que demanda uma situação real e concreta. Ou seja, eventuais
investimentos que a autora poderia fazer com os valores não recebidos
oportunamente configura dano hipotético e não autoriza a reparação pretendida”.
 

Diante do exposto, votou pela
procedência parcial do recurso para condenar o município ao pagamento dos
serviços efetivamente prestados após o término do contrato, no que concordaram
os demais integrantes da 6ª Câmara de Direito Público. (Grifamos.) (TJ/SP,
AC nº 1015459-53.2016.8.26.0361)

Nota: O material acima foi originalmente
publicado na Revista Zênite Informativo de Licitações e Contratos (ILC) e está
disponível no
Zênite Fácil, ferramenta
que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública.
Acesse 
www.zenite.com.br e conheça essa e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores