Terceirização no âmbito dos serviços sociais autônomos

Sistema "S"

Um aspecto que não raras vezes gera dúvida nos gestores dos serviços sociais autônomos é se eventual terceirização de serviços se mostra adequada ou não.
No âmbito da Administração Pública, a despeito das críticas quanto à caracterização da terceirização lícita, a prática jurisprudencial e, em certa medida, a normativa, costuma apontar os seguintes pressupostos para tanto:
– não compreender atividade finalística do órgão ou entidade;
– não estar abrangida pelo quadro de cargos existente, salvo se a função estiver em extinção ou, não puder ser atendida via contratação temporária por excepcional interesse público (Constituição da República, art. 37, I e II) ou, justificadamente, se compreender demanda episódica, que não justifique a criação de novos cargos.
Situação diversa, a princípio, poderia ser suscitada relativamente aos integrantes dos serviços sociais autônomos, uma vez compreenderem pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, não abarcadas pela Administração Pública. Na realidade, cooperam com a Administração na execução de atividades de interesse público.
Contudo, além de receberem contribuições de empresas, arrecadas e repassadas pela Previdência Social, os serviços sociais autônomos também recebem recursos públicos.


Em função desse contexto, é cada dia mais crescente a linha de entendimento no sentido de que, por manejarem recursos públicos na busca pela satisfação de objetivos intimamente relacionados ao interesse dos cidadãos, é que, primeiro, os serviços sociais autônomos estão sujeitos à fiscalização do Tribunal de Contas da União e, segundo, apesar de não submetidos ao rigor da Lei, devem respeitar a principiologia que rege a atuação da Administração Pública.
Diante disso, ao promover a contratação de pessoal para seus quadros, cumpre às entidades integrantes do sistema “s” observar critérios de isonomia e moralidade. Logo, para o preenchimento de empregos diretos em serviço social autônomo necessário, minimamente, deflagrar processo seletivo, que assegure igualdade de participação a todos os interessados que preencham os requisitos previamente fixados pela entidade.
E a necessidade de respeitar essa diretriz conduz a segunda e importante conclusão: grosso modo, os mesmos pressupostos que orientam a terceirização de serviços no âmbito da Administração Pública, resguardadas as peculiaridades desse regime, devem orientar a contratação de serviços pelos integrantes do sistema “S”.
Ora, as atividades finalísticas do serviço social autônomo, assim como aquelas em que é intrínseca a ocorrência de ato por excelência da entidade, a exemplo de fiscalização, de regulação e de decisão, demandam atuação de pessoal permanente e, preferencialmente, vinculado à entidade, que possam atuar de forma independente, transparente e segura. Eventual terceirização poderia colocar em xeque essas garantias, esperadas pela comunidade que se beneficia do ente de cooperação do Estado.
Do mesmo modo, o exercício de atividades que envolvem subordinação direta ao pessoal do serviço social autônomo, pessoalidade e habitualidade, também não devem ser terceirizados. Terceirizar esses serviços implica em sofrer risco de responsabilidade trabalhista subsidiária. E aqui, importante observar, o texto da Súmula nº 331 do TST apresenta inciso destinado exclusivamente aos órgãos e entidades integrantes da Administração Pública (inc. V). Contudo, o restante da regra aplica-se às demais pessoas jurídicas e, no caso, com muito mais veemência.
De todo o exposto, possível firmar as seguintes orientações aos serviços sociais autônomos, a fim de que suas terceirizações não sejam questionadas pelos organismos de controle:
– a contratação de pessoal para fazer frente a atividades-fim da entidade e aquelas que demandem vínculo de emprego estável, deve ser precedida, minimamente, de processo seletivo;
– outras atividades, não abarcadas pelo quadro operacional direto da entidade (cujo exercício não demande habitualidade, subordinação e pessoalidade), podem ser terceirizadas, a rigor mediante prévio procedimento licitatório.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores