TCE/SP: É possível a utilização de registro de preços para serviços continuados?

Registro de Preços

Trata-se de representações formuladas por licitantes contra o edital de pregão presencial visando ao registro de preços de serviços técnicos de operação de iluminação pública. Entre as irregularidades, as representantes apontaram a adoção do sistema de registro de preços para serviços de natureza contínua que não podem ser caracterizados como pequenos reparos ou considerados de pequena monta ou baixa complexidade.

O relator, ao analisar o caso, destacou que “os serviços de consultoria ao Município para desenvolvimento e implantação do Plano Diretor de Iluminação, acompanhamento e assessoramento em assuntos relacionados, elaboração de projetos de eficientização e de ampliação, e os serviços de manutenção preventiva e corretiva do Parque de Iluminação não se coadunam com o registro de preços, sistemática que pressupõe uma prévia e completa definição de bem ou serviço (cuja aquisição é incerta e eventual apenas do ponto de vista quantitativo e temporal). Não por outra razão, o Registro de Preços é também incompatível com atividades de caráter continuado”.

Nesse sentido, explicou o relator que não é possível “o acolhimento da argumentação trazida pela Municipalidade limitada ao desconhecimento do número real de pontos de iluminação pública como justificativa para a adoção dessa modalidade. A esse respeito, é de se registrar que, nos termos do que estipula a Resolução ANEEL nº 414/20107, a concessionária de distribuição de energia elétrica local, a quem tais serviços eram antes afetos, deve disponibilizar ao Município os ‘dados sobre o sistema de iluminação pública’”.

Dando continuidade à análise, observou que, “além da falha relacionada à inadequada utilização do Sistema de Registro de Preços, o Edital está em desacordo com o artigo 23, § 1º, da Lei nº 8.666/93, ao contemplar a contratação dos serviços de Desenvolvimento e Implantação do Plano Diretor de Iluminação, de natureza e segmento de mercado específico e diverso dos demais (serviços de eficientização e ampliação do Parque de Iluminação Pública e de manutenção preventiva e corretiva), impondo-se, portanto, sua segregação”.

Diante das falhas verificadas, a julgadora concluiu pela necessidade de anulação do procedimento licitatório impugnado em razão da imprópria utilização do Sistema de Registro de Preços e aglutinação de atividades distintas nos termos do artigo 49 da Lei nº 8.666/93”, julgando as representações procedentes nesse aspecto, no que foi seguida pelo Tribunal Pleno. (Grifamos.) (TCE/SP, Processos nºs 18.989.18-6 e 72.989.18-9 e 73.989.18-8 – Tribunal Pleno)

Nota: O material acima foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos (ILC) e está disponível no Zênite Fácil, ferramenta que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essa e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores