SISTEMA S: Cartilha da Controladoria Geral da União

Contratação diretaContratos AdministrativosLicitaçãoPlanejamentoSistema "S"

Em 2009 a CGU (Controladoria Geral da União) lançou cartilha de entendimentos (formato pergunta e resposta) com o objetivo minimizar pontos polêmicos e orientar os gestores das entidades do Sistema S na aplicação de recursos parafiscais. No ano corrente (2013) a CGU reviu a primeira versão da cartilha e modificou alguns posicionamentos e trouxe novos.

 

Essas alterações e muitas outras informações podem encontradas de maneira organizada no SistemaSanotado, ferramenta desenvolvida pela Zênite em que a informação é organizada em forma de notas distribuídas em cada artigo do Regulamento de Licitação e Contratos. As notas são divididas em quatro categorias: legislação, doutrina, tribunais de contas e jurisprudência.

Informação curta, precisa e em linguagem acessível que ajuda na tomada de decisões com segurança. A nova versão do produto ainda conta com a possibilidade de destacar as notas favoritas e permite inclusão de notas pela entidade! Se você ainda não conhece, contate-nos: http://www.sistemasanotado.com

Compartilhamos abaixo algumas alterações/inclusões da cartilha da CGU:

1)      De acordo com a CGU, as entidades integrantes do Sistema S devem designar, formalmente, o responsável pelo acompanhamento e fiscalização dos contratos, “para garantir que as condições previamente estabelecidas estão sendo cumpridas pelo contratado; possibilitar a aplicação das penalidades previstas pela inexecução contratual; e observar o princípio da eficiência.”

2)      De acordo com a CGU, as entidades do Sistema S devem utilizar o SINAPI na elaboração dos seus orçamentos referenciais de obra, tendo em vista que “está assente na jurisprudência do TCU, em respeito aos princípios indicados no art. 37, caput, da Constituição Federal e da seleção da proposta mais vantajosa, que é recomendável que as entidades do Sistema “S” utilizem fontes oficiais como o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil – SINAPI na elaboração dos orçamentos referenciais de suas obras, em consonância com os parâmetros estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias e no Decreto nº 7.983/2013.

3)      De acordo com a CGU “com a alteração efetuada pela Lei n.º 12.249/2010 no art. 6º do Decreto-Lei n.º 9.295/1946, o Conselho Federal de Contabilidade passou a ter a atribuição de editar Normas Brasileiras de Contabilidade de natureza técnica e profissional, sendo essas normas de observância obrigatória a todas as unidades que se utilizam de regras contábeis. Assim, conforme estabelece o parágrafo 5º da NBC T 16.1, o campo de aplicação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público inclui também as entidades do Sistema “S”.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores