Seleção de fornecedor de bens e serviços especializados em contratos de publicidade.

Publicidade

O art. 2º, da Lei nº 12.232/2010, define os serviços de publicidade como “… o conjunto de atividades realizadas integradamente que tenham por objetivo o estudo, o planejamento, a conceituação, a concepção, a criação, a execução interna, a intermediação e a supervisão da execução externa e a distribuição de publicidade aos veículos e demais meios de divulgação, com o objetivo de promover a venda de bens ou serviços de qualquer natureza, difundir ideias ou informar o público em geral”. A definição, como se vê, envolve uma série de atividades, sendo algumas consideravelmente abstratas.

Não bastasse isso, o § 1º daquele mesmo art. 2º admitiu ainda a possibilidade de a prestação de serviços de publicidade demandar “atividades complementares”, também denominadas de “bens e serviços especializados”, a serem fornecidos por terceiros, alheios à relação contratual existente entre Administração e empresa contratada.

A obtenção desses bens e/ou serviços especializados, por parte da empresa contratada, deve seguir procedimento próprio, o qual consta do art. 14, da Lei nº 12.323/2010. Ocorre que esse dispositivo costuma gerar dúvidas no que concerne à sua interpretação. Afinal, qual é o procedimento a ser seguido pela empresa contratada para obter, junto a terceiros, bens e serviços especializados necessários para a execução do objeto demandado pela Administração?

O caput do art. 14 determina que “… somente pessoas físicas ou jurídicas previamente cadastradas pelo contratante poderão fornecer ao contratado bens ou serviços especializados…”. Em outras palavras, o dispositivo restringe o universo de indivíduos aptos a fornecerem bens ou serviços especializados àqueles previamente cadastrados pela Administração.

Você também pode gostar

O § 1º, do art. 14, por sua vez, prevê que a obtenção desses bens e serviços demandará da empresa contratada a apresentação de pelo menos 3 (três) orçamentos, recolhidos junto àqueles indivíduos previamente cadastrados, a serem entregues à Administração. Entendemos que esse procedimento é padrão, e deve ser seguido em todos os casos nos quais se fizerem necessárias a obtenção de bens e serviços especializados, independentemente do valor desses objetos.

A interpretação do dispositivo fica mais complexa a partir da leitura dos §§ 2º e 3º, do já mencionado art. 14.

O § 2º prescreve que “… o contratado procederá à coleta de orçamentos de fornecedores em envelopes fechados, que serão abertos em sessão pública, (…) sempre que o fornecimento de bens ou serviços tiver valor superior a 0,5% (cinco décimos por cento) do valor global do contrato”.

O § 3º, por sua vez, prevê que “o fornecimento de bens ou serviços de valor igual ou inferior a 20% (vinte por cento) do limite previsto na alínea a do inciso II do art. 23 da Lei nº 8.666/93, (…) está dispensado do procedimento previsto no § 2º…”.

Parece-nos que o § 2º engendra regra, ou seja, cria procedimento especial, no sentido de que os orçamentos obtidos junto a terceiros serão entregues à Administração em envelopes fechados, e abertos em sessão pública especialmente realizada para esse fim, sempre que o valor dos bens e serviços especializados for superior a 0,5% do valor global do contrato de serviços de publicidade.

Tal regra possui, tudo indica, duas exceções; duas hipóteses nas quais a entrega dos orçamentos em envelopes fechados e a realização de sessão pública serão dispensadas, quais sejam:

a) sempre que o valor dos bens ou serviços especializados for inferior a 0,5% do valor global do contrato de serviços de publicidade ou;
b) a situação prevista no § 3º, do art. 14, onde apesar de atingido o limite de 0,5% do valor global do contrato de serviços de publicidade, o preço dos bens e serviços especializados é igual ou inferior ao limite estabelecido no art. 23, inc. II, da Lei de Licitações (R$ 16.000,00).

Essa é a interpretação que fazemos do art. 14, da Lei nº 12.232/2010.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores