Rescisão unilateral do contrato em razão do cumprimento irregular de cláusulas contratuais, especificações e prazos – Cautela na hora de decidir!

Contratos Administrativos

De acordo com o disposto no art. 78, inc. II da Lei nº 8.666/93, ocorrendo o cumprimento irregular de cláusulas contratuais, especificações e prazos por parte do contratado, poderá a Administração rescindir o contrato unilateralmente. Contudo, faz-se uma ponderação inicial: a previsão do dispositivo em comento não deve ser vista de modo absoluto, isto é, o contrato não deve ser rescindido sempre que ocorrer o cumprimento irregular de cláusulas contratuais.

Isso porque, diante desse cenário, a autoridade competente deve tomar toda a cautela possível, de modo a preservar o interesse público que demandou a contratação. Dito de outra maneira, ainda que o contratado não esteja cumprindo o contrato conforme avençado, a necessidade que ensejou a celebração do contrato administrativo ainda permanecerá, e isso não deve ser desconsiderado de modo algum!

Dessa forma, antes do gestor público optar pela rescisão unilateral do contrato é imprescindível que pondere alguns fatores: a) qual é o nível da irregularidade pelo contratado; b) se é sanável; c) qual o estágio que se encontra a execução do contrato; d) em qual lapso a Administração precisará do objeto integralmente cumprido; e) qual o prejuízo financeiro que a Administração terá com a rescisão contratual.

Portanto, é essencial que haja uma criteriosa avaliação desses aspectos pela autoridade administrativa, para então decidir se deve ou não rescindir o contrato. Isso porque o instrumento de rescisão unilateral previsto no inciso II do art. 78 da Lei n°8.666/93 não pode se tornar um mecanismo de autopunição da Administração, ou melhor, do interesse público que demandou a contratação.  Sabe-se que uma das razões fundamentais da licitação é atender plenamente a necessidade da Administração por intermédio de uma contratação financeiramente vantajosa, o que não seria concretizado caso a rescisão unilateral acarretasse prejuízos financeiros à Administração ou prejudicasse o efetivo atendimento da necessidade.

Nesse contexto, digamos que reste apenas 1/5 do contrato a ser cumprido e fora encontrada certa irregularidade na sua execução. A rescisão não será a saída mais adequada se, por exemplo, a Administração precisar com urgência daquele objeto e a irregularidade constatada for perfeitamente sanável. Neste caso, a notificação do contratado para que proceda a perfeita execução da avença, e até mesmo a aplicação de multa com fulcro no art. 88, será a maneira mais correta a se proceder, visto que haverá punição apenas ao particular, que foi quem deu causa a irregularidade.

Isso não implica dizer que o contrato não será rescindido caso o particular permaneça incorrendo em irregularidade. Deve haver sim a medida de rescisão, desde que haja fortes indícios de que o contratado definitivamente não conseguirá executa-lo nos moldes fixados pela Administração, ou de que a manutenção do contrato acarretará ainda maiores prejuízos a ela.

É preciso repensar a máxima de que em razão do princípio da indisponibilidade do interesse público é sempre necessário decretar a rescisão do contrato pelo descumprimento de toda e qualquer cláusula contratual. Interesse público não é uma condição absoluta e nem tampouco algo que não exija a necessária ponderação. A decretação de rescisão contratual em alguns casos é tão condenável quanto a não decretação em outros. É preciso agir com ponderação e razoabilidade.

Uma vez realizada essas ponderações e a Administração entender que a rescisão unilateral é o caminho mais razoável a seguir, então, caberá a ela proceder com a contratação direta do remanescente com respaldo no art. 24, inc. XI da Lei nº 8.666/93, ou com a instauração de uma nova licitação.

Continua depois da publicidade
3 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores