Qual o entendimento do TCU sobre a participação de corretoras em licitações para contratação de seguro?

Licitação

A contratação de prestação de serviço de seguro constitui atividade disciplinada por legislação específica:

– Decreto nº 59.417, de 26.10.1966;

– Decreto-Lei nº 73, de 21.11.1966;

– Decreto nº 60.459, de 13.03.1967;

– Decreto nº 93.871, de 23.12.1986.

Você também pode gostar

Essas legislações têm dispositivos que não se harmonizam com as normas impostas pela Lei nº 8.666/1993, hoje em vigor, encontrando-se, por consequência, derrogados. Vigoram, contudo, os demais dispositivos que não conflitam com o sistema vigente.

Nesse sentido, o art. 1º do Decreto nº 59.417/1966 que trata da contratação direta de seguro. Porém, em vista de a Lei nº 8.666/1993 ter instituído o dever de licitar, somente admitindo a contratação direta por dispensa de licitação nas hipóteses legalmente previstas, entende-se que essa previsão foi derrogada pela Lei de Licitações.

Mas não se pode dizer o mesmo do § 1º do mesmo dispositivo:

Art. 1º  (…)

§ 1º Na formalização dos seguros previstos neste artigo, é vedada a interveniência de corretores ou administradores de seguros sob qualquer forma, no ato da contratação e enquanto vigorar o ajuste. (Grifamos.)

Dessa forma:

– as corretoras somente podem atuar como intermediárias nas contratações efetuadas com pessoas físicas ou de direito privado; e

– as seguradoras é que têm competência para contratar com entidades integrantes da Administração Pública.

Portanto, em licitação promovida por órgão ou entidade integrante da Administração Pública, deverá ser admitida, conforme legislação citada, apenas a participação de seguradoras. O TCU apontou a vedação à intermediação das contratações de seguros por parte de corretoras:

2. É vedada a intermediação de empresa corretora na execução de contrato de seguros adquiridos pela Administração Pública, ainda que inexista vínculo formal direto da corretora com o órgão contratante. (TCU, Acórdão nº 600/2015, Plenário, j. em 23.03.2015.)

Na mesma oportunidade, a Secex Estatais, revisitando a legislação e a jurisprudência do TCU sobre o assunto, concluiu que:

nos termos do art. 3º da Lei 8.666/93 c/c art. 16 do Decreto 60.459/67, o procedimento licitatório se destina à seleção, de forma direta junto ao mercado de empresas seguradoras nacionais, da proposta mais vantajosa para a administração pública, não havendo previsão legal para a atuação de corretor junto à administração como intermediário da relação contratual com empresa seguradora. (TCU, Acórdão nº 600/2015, Plenário, j. em 23.03.2015.)

Segundo o entendimento adotado pela unidade técnica do TCU,

a licitação, procedimento formal que objetiva a seleção da proposta mais vantajosa à Administração, cumpre justamente o papel que, no mercado privado formado pelas pessoas físicas e jurídicas de direito privado, é atribuído ao corretor de seguros, que ‘angaria e promove’ os contratos entre as seguradoras e os interessados, buscando a proposta que melhor atende ao interesse do segurado privado junto às empresas seguradoras. (TCU, Acórdão nº 600/2015, Plenário, j. em 23.03.2015.)

Com base nessa ordem de ideias, a unidade técnica, que teve proposição acatada pelo Plenário, propôs que fosse cientificada a entidade administrativa de que a

atuação de empresa corretora de seguros na intermediação da execução do contrato de seguros, ainda que sem vínculo formal direto com a Administração Pública, constitui afronta aos arts. 16, § 3º, do Decreto 60.459/67, aos princípios da licitação constantes da Lei 8.666/93 e do art. 37, XXI, da Constituição Federal, bem como contraria jurisprudência do TCU sobre a matéria. (TCU, Acórdão nº 600/2015, Plenário, j. em 23.03.2015.)

Sendo assim, o entendimento do Tribunal de Contas da União é no sentido de vedar a intermediação por corretor de seguro na contratação de seguros pela Administração Pública direta ou indireta. Nesse contexto, não se admite que o corretor atue na condição de intermediário entre Administração e seguradora.

Nota: O material acima foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos, na seção Perguntas e Respostas, e está disponível no Zênite Fácil, ferramenta que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública. Acesse nossa página e conheça essa e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores