Qual é o objetivo da gestão de risco da IN nº 05/2017? Quais informações devem ser levantadas e qual documento deve ser elaborado?

PlanejamentoTerceirização

Segundo o disposto no Decreto nº 9.203/2017, que dispõe sobre a política de governança da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional, a atividade de gestão de riscos deve ser entendida como o “processo de natureza permanente, estabelecido, direcionado e monitorado pela alta administração, que contempla as atividades de identificar, avaliar e gerenciar potenciais eventos que possam afetar a organização, destinado a fornecer segurança razoável quanto à realização de seus objetivos”.

No contexto da IN SEGES/MP nº 05/2017, que regulamenta as contratações de serviços para a realização de tarefas executivas sob o regime de execução indireta por órgãos ou entidades da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional, a gestão de riscos foi definida como uma etapa obrigatória do planejamento das contratações.

Conforme orienta o Tribunal de Contas da União na publicação institucional 10 passos para a boa gestão de riscos:

A identificação de riscos deve envolver pessoas com conhecimento sobre o funcionamento da organização e dos ambientes interno e externo, e pode se apoiar em análise de dados históricos, opiniões de especialistas, análises teóricas, entre outras fontes de informação. Isso implica catalogar amplo conjunto de riscos que afetam os objetivos estratégicos e avaliá-los, extraindo aqueles que, pela sua importância, devem merecer a atenção da alta administração e, portanto, devem ser levados ao seu conhecimento. (BRASIL, 2018, p. 20.)

Você também pode gostar

A partir da identificação dos riscos que possam comprometer a efetividade de cada uma das fases do processo de contratação (planejamento da contratação, seleção do fornecedor e gestão contratual), de acordo com a previsão contida no art. 25 da IN SEGES/MP nº 05/2017, caberá:

a) estimar a probabilidade de ocorrência (alta, média e baixa);

b) estimar o impacto caso se materialize em um evento (alto, médio e baixo);

c) definir o nível de risco com base na relação probabilidade X impacto (alto, médio e baixo);

d) promover o tratamento dos riscos considerados inaceitáveis por meio da definição das ações de prevenção que deverão incidir sobre as causas do risco, de modo a reduzir a probabilidade de sua ocorrência;

e) para os riscos que não forem eliminados por meio das ações de prevenção e persistirem inaceitáveis, estabelecer as ações de contingência que deverão ser adotadas para o caso de se concretizar os eventos correspondentes; e

f) definir os responsáveis pelas ações de prevenção e pelas ações de contingência.

[Blog da Zênite] Qual é o objetivo da gestão de risco da IN nº 05/2017? Quais informações devem ser levantadas e qual documento deve ser elaborado?

Ainda de acordo com a previsão contida no art. 26 da IN SEGES/MP nº 05/2017, “O Gerenciamento de Riscos materializa-se no documento Mapa de Riscos”, sendo possível consultar o modelo constante do Anexo IV.

Em vista desse contexto, concluímos que a etapa de gestão de riscos prevista na IN SEGES/MP nº 05/2017 consiste na identificação dos possíveis eventos futuros e incertos que podem comprometer a efetividade de cada fase do processo de contratação ou os resultados do contrato, de modo a antecipar-se a esses eventos, adotando medidas conscientes que reduzam a probabilidade ou o impacto deles decorrente.

Para tanto, é fundamental promover a elaboração do mapa de riscos, do qual deverá constar a identificação dos riscos, especialmente a partir da experiência obtida em contratações anteriores, a avaliação de cada risco e a definição das ações de tratamento (prevenção e contingenciamento) para os riscos inaceitáveis, com a indicação dos respectivos responsáveis.

REFERÊNCIA

BRASIL. Tribunal de Contas da União. 10 passos para a boa gestão de riscos. /Tribunal de Contas da União. Brasília: TCU, Secretaria de Métodos e Suporte ao Controle Externo (Semec), 2018. Disponível em: <https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A81881E64480910016466A1858A41B6>. Acesso em: 12 out. 2018.

A versão completa deste material está disponível no ZÊNITE FÁCIL, ferramenta que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública! Veja o que a ferramenta oferece aqui e solicite acesso cortesia para conhecê-la: comercial@zenite.com.br ou pelo telefone (41) 2109-8660.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores