O Brasil também protesta por um processo de contratação pública mais eficiente

Contratos AdministrativosLicitação

Recentemente, temos assistido a uma onda de protestos populares nas capitais e principais cidades do País. A população tomou as ruas para reclamar do preço e da falta de qualidade dos serviços públicos, especialmente transporte, saúde e educação. Também tem exigido mais seriedade e, por consequência, menos corrupção no trato da coisa pública.

Todas essas manifestações, a nosso ver, enquanto pacíficas e ordeiras, são legítimas e encontram amparo na própria Constituição Federal, que, além de assegurar o direito a todos à prestação de serviço adequado ao pleno atendimento dos usuários, na forma da lei, também assegura ser “livre a manifestação do pensamento” e que “todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização”.

Agora, o que isso tem a ver com licitações e contratações públicas? Simplesmente tudo!

De acordo com a Lei nº 8.987/95, por serviço público adequado entende-se aquele capaz de satisfazer as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas.

Você também pode gostar

Para que a população tenha acesso a serviços públicos adequados, faz-se indispensável melhorar a qualidade da gestão dos gastos públicos, o que envolve, entre diversos outros objetivos e metas, o aperfeiçoamento das contratações públicas.

Dito de modo simples, mas direto, a Administração Pública precisa passar a contratar a um preço justo canetas que escrevam, obras que sejam executadas no tempo devido e sem aditivos intermináveis e serviços que efetivamente resolvam o problema que justifica a sua contratação e não crie outros, a exemplo da responsabilidade subsidiária trabalhista.

Além da obtenção de soluções com qualidade, o aperfeiçoamento das contratações públicas também requer a realização de processos licitatórios mais eficientes, ou seja, capazes de reduzir o tempo para a contratação e o custo do processo, sem deixar de assegurar a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a Administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável – finalidade da licitação.

A qualidade da prestação de serviços públicos depende, diretamente, da qualidade das contratações celebradas pela Administração Pública. Por isso, é preciso que as autoridades se sensibilizem acerca da necessidade de uma ampla e racional revisão da legislação sobre contratação pública, da dotação de servidores em número e com qualificação adequada para a realização dessas atividades, do investimento contínuo em capacitação desses servidores, da disponibilização de recursos e condições de trabalho adequados e da criação de políticas capazes de estimular a assunção de responsabilidades para gerar a otimização de recursos e ganhos de eficiência.

Mais do que reclamar pela redução de centavos na tarifa do transporte público, em verdade, todos esses protestos não deixam de exigir, ainda que indiretamente, o respeito ao direito de todo cidadão a um processo de contratação pública mais eficiente.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores