Gestão pública ambientalmente responsável

Contratações Sustentáveis

Comemoramos no dia 05 de junho de 2011 o Dia Mundial do Meio Ambiente. A cada ano que passa as comemorações em torno deste dia são maiores e mais divulgadas.

Isso porque a cada dia que passa aumenta a consciência ambiental das pessoas e dos agentes públicos, o que reflete em suas ações.

No âmbito das contratações públicas essa tomada de consciência refletiu na alteração da Lei nº 8.666/93, no final do ano de 2010, quando esta passou a colocar expressamente como um fim da licitação o desenvolvimento nacional sustentável.

Atualmente, tramita um Projeto de Lei do Senado – PLS nº 5/2011 – que objetiva inserir alguns dispositivos na Lei de Licitações que privilegiem empresas responsáveis com a proteção ao meio ambiente, especificamente.

Você também pode gostar

Este projeto pretende acrescentar o § 1º ao artigo 3º da Lei 8.666/1993, para determinar que na seleção da proposta mais vantajosa para a Administração sejam levados em conta critérios de sustentabilidade ambiental.

Também pretende alterar o inciso III do mesmo artigo 3º para definir como um dos critérios de desempate, os bens e serviços produzidos ou prestados por empresas que invistam em pesquisa e no desenvolvimento de tecnologia no País e em projetos e programas voltados para a proteção do meio ambiente.

E, ainda, acrescentar o inciso IV ao § 7º do artigo 15 para determinar que nas compras deverá ser observada a compatibilidade do bem a ser adquirido com as exigências relativas à proteção do meio ambiente.

É possível observar com as constantes mudanças legislativas, especialmente em relação às contratações públicas, que falar sobre proteção ao meio ambiente deixou de ser tema apenas das conversas de ambientalistas e passou a ser tema, também, da gestão pública.

Foi publicada no dia de hoje, no jornal Gazeta do Povo, matéria que apresenta estudo das Nações Unidas que alerta: as metrópoles com alta densidade populacional são mais suscetíveis à ocorrência de desastres naturais, principalmente porque são essas as maiores responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa. (Leia a íntegra da matéria clicando aqui)

Segundo o documento os “efeitos da urbanização e da mudança climática estão convergindo de maneira perigosa. Os resultados dessa soma ameaçam ter impactos negativos sem precedente na qualidade de vida, na economia e na estabilidade social”.

A matéria ainda apresentou a opinião do engenheiro civil Mauricio Ehrlich, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no sentido de que a “solução passa obrigatoriamente pelo desenvolvimento de planejamentos urbanos alinhados com a geografia local”. E, ressaltou: “Um mapeamento geológico ajuda a definir quais solos podem ser ocupados e quais deverão ser conservados”.

Esse cenário retrata a responsabilidade dos gestores em atuar de forma ambientalmente consciente para garantir o verdadeiro alcance do interesse público. E essa responsabilidade vai desde a compra do material de expediente até a realização de obras, elaboração do plano diretor e edição de leis e atos normativos.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores