Fim da vigência da MP nº 951/20: fim do SRP em dispensa?

Contratação diretaCOVID-19Registro de Preços

Perdeu validade a Medida Provisória nº 951/20.  

Você deve lembrar que, dentre as previsões da norma, uma muito debatida envolvia a possibilidade de realizar um registro de preços por dispensa de licitação

O
art. 4º da Lei nº 13.979/20 foi alterado, sendo incluído, dentre outros
conteúdos, o §4º, o qual autorizava que, na dispensa de licitação para
aquisição ou contratação de bens, serviços, inclusive de engenharia, e
insumos destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública
decorrente da pandemia do COVID-19, fosse utilizado o sistema de
registro de preços. 

A questão é que a MP perdeu validade, não tendo sido convertida em Lei.  

Mas o ponto de reflexão que se coloca é o seguinte:
então não será mais possível instituir um registro de preços por
dispensa? Qual o prejuízo da não conversão em Lei dessa previsão?  

Você também pode gostar

Desde
há muito tempo temos defendido que não é o fato de o processo de
contratação encontrar fundamento em dispensa ou inexigibilidade que
afasta o emprego do sistema de registro de preços, enquanto ferramenta
destinada àquelas contratações em que a Administração não tem como
prever exatamente o quantitativo apto a atender sua demanda ou, ainda, o
momento em que efetivamente se fará necessária; ou, ainda, enquanto
meio apto a viabilizar contratações compartilhadas entre órgãos e
entidades. 

Conforme pontuado em artigo de integrante da Equipe Técnica Zênite, “na medida em que não há uma previsão expressa/literal tratando da formalização de ata de registro de preços via dispensa ou inexigibilidade, formou-se a percepção de que assim não seria possível.”  

Porém, “fato é que o legislador já reconheceu algumas situações em que a licitação não é possível em razão da inviabilidade de competição (inexigibilidade) ou autorizou a deixar de licitar
diante de outros vetores jurídicos presentes no ordenamento jurídico, a
exemplo dos princípios da eficiência, da economicidade e de fomento (dispensa de licitação).”  

E mais, “perceba que a lei dispensa ou inexige a licitação, e não o contrato. Justamente por isso, pouco importa se o negócio jurídico será materializado por contrato ou mediante ata de registro de preços. A possibilidade de afastamento da licitação prévia decorre, em verdade, do preenchimento dos pressupostos autorizadores da hipótese legal de dispensa ou de inexigibilidade, o que deve ser avaliado em cada caso concreto.” *

Portanto,
a nosso ver, a perda da validade da MP nº 951/20 não implica na
proibição, a partir de hoje, quanto à formalização de registro de preços
com fundamento no art. 4º da Lei nº 13.979/20. 

Aliás,
de acordo com o art. 4º-B da Lei nº 13.979/20, alterada pela recente
Lei nº 14.035/20, nas dispensas de licitação respectivas presumem-se
comprovadas as condições de (i) ocorrência de situação de emergência;
(ii) necessidade de pronto atendimento da situação de emergência; (iii)
existência de risco à segurança de pessoas, de obras, de prestação de
serviços, de equipamentos e de outros bens, públicos ou particulares; e
(iv) limitação da contratação à parcela necessária ao atendimento da
situação de emergência.    

Em
um contexto grave como é o atual, decorrente dos reflexos da pandemia
sobre as diversas realidades com as quais a Administração se depara, não se descarta a
formalização de uma ata, que abarque quantitativo estimativo,
estipulado em face de uma previsão da Administração quanto ao adequado
para conter os riscos concretos e indiscutíveis, face à vida, saúde e
bens.  

Se o emprego do SRP motivadamente se demonstrar a solução mais eficiente na realidade do órgão ou entidade contratante, devidamente acostadas as razões nesse sentido,
entendemos que a decisão por lançá-lo com fundamento em dispensa (art.
4º da Lei nº 13.979/20) estaria acobertada pelo regime jurídico vigente,
mesmo diante da perda da validade da MP nº 951/20.

Evidentemente, como a hipótese de dispensa prevista no art. 4º da Lei nº 13.979/20 é voltada ao atendimento de situações emergenciais, cuidado redobrado deve existir em uma análise adequada da situação concreta, no sentido de verificar se de fato a solução mais eficiente, para o atendimento imediato das demandas decorrentes do enfrentamento da crise, tem em vista instituir uma ata de registro de preços, cujo compromisso viabilize, da forma mais ágil possível, o fornecimento do bem ou a execução do serviço tão logo se concretize a demanda.

* ROSSETTI, Suzana Maria. É possível formalizar a ata de registro de preços por dispensa ou inexigibilidade de licitação? Revista Zênite ILC – Informativo de Licitações e Contratos, Curitiba: Zênite, n. 310, p. 1216-1222, dez. 2019, seção Doutrina.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores