Em que momento se encerram as atribuições do pregoeiro e dos membros da comissão de licitação?

LicitaçãoPregão

A Lei nº 8.666/93, em seu art. 6º, inc. XVI, conceitua comissão de licitação como “comissão, permanente ou especial, criada pela Administração com a função de receber, examinar e julgar todos os documentos e procedimentos relativos às licitações e ao cadastramento de licitantes”.

Embora apresente uma definição, a Lei não particulariza as atribuições dos membros da comissão, apenas estabelece uma competência genérica. Todavia, em face dessa competência e considerando o procedimento previsto para a licitação na Lei, é possível apontar as seguintes atividades:

a) instruir o processo licitatório, juntando documentos pertinentes à sessão pública e manifestações dos interessados (art. 38);

b) prestar informações aos interessados; providenciar a publicação dos atos em tempo hábil (art. 21, § 1º);

c) conduzir os procedimentos e decidir acerca da habilitação dos licitantes, promovendo, na data previamente marcada, a abertura dos envelopes, a rubrica e a análise dos documentos (art. 43);

Você também pode gostar

d) realizar diligências e habilitar ou inabilitar proponentes (art. 43);

e) rever, de ofício ou mediante provocação (recurso), suas decisões, informando, quando necessário, à autoridade superior os recursos interpostos (art. 109, § 4º); e

f) analisar, julgar e classificar as propostas (art. 43).

Em linhas gerais, as atividades da comissão de licitação se encerram com o esgotamento da fase recursal que sucede o julgamento das propostas, com a remessa do processo para homologação e adjudicação pela autoridade superior.

O pregoeiro, por sua vez, é a autoridade singular responsável pelo processamento da licitação na modalidade pregão e, assim, desempenhará funções similares às das comissões de licitação. Suas atribuições estão previstas na legislação específica, Lei nº 10.520/02 e regulamentos, e, regra geral, encerram-se com a adjudicação do objeto ao vencedor da licitação, na hipótese de não ocorrer a interposição de recurso, ou com a remessa dos autos para a autoridade superior decidir eventuais recursos interpostos.

Outras atividades podem ser delegadas à comissão de licitação e ao pregoeiro por ato competente. Assim, o ato de nomeação, além da designação desses agentes, poderá, por exemplo, definir atribuições complementares àquelas previstas nas normas vigentes.

Contudo, ainda que se admita a delegação de algumas atividades, as competências básicas da comissão de licitação e do pregoeiro compreendem a condução da fase externa do processo de contratação pública. Por isso, em vista do princípio da segregação de funções, atos preparatórios, pertinentes à fase de planejamento, não devem ser delegados a esses agentes, visto que isso provocaria a concentração, em um único responsável, dos atos de elaboração, aprovação e aplicação das regras da licitação.

Nota: Esse material foi originalmente publicado na Revista Zênite Informativo de Licitações e Contratos (ILC), Curitiba: Zênite, n. 242, p. 410, abr. 2014, seção Perguntas e Respostas. A Revista Zênite e a Web Zênite Licitações e Contratos tratam mensalmente na seção Perguntas e Respostas das dúvidas mais frequentes e polêmicas referentes à contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores