É possível a fixação de critérios de sustentabilidade nas contratações realizadas por entidade do Sistema “S”?

Contratações SustentáveisSistema "S"

A maior parte dos Regulamentos de Licitações e Contratos das entidades do Sistema “S” estabeleceu que a licitação será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhe são correlatos, inadmitindo-se critérios que frustrem seu caráter competitivo.

Veja-se que, diferentemente da Lei nº 8.666/93 (art. 3º), esses Regulamentos não enumeraram a promoção do desenvolvimento nacional sustentável como um princípio basilar de seus processos de contratação. Todavia, possível entender que a ausência de menção expressa nesse sentido não afastaria sua incidência na hipótese.

É preciso ter em mente que as entidades do Sistema “S”, por manejarem recursos públicos, estão sujeitas à fiscalização do Tribunal de Contas da União, o qual apresenta posicionamento firme no sentido de que, em suas contratações, os serviços sociais autônomos devem observar a principiologia que orienta a atuação administrativa (Decisões nºs 907/1997 e 461/1998, ambas do Plenário).

A partir desse contexto, seria possível entender o rol de princípios enunciados nos Regulamentos como exemplificativo, de maneira que outros princípios consentâneos ao exercício da função administrativa, a exemplo da finalidade, da razoabilidade e, interessante ao caso, da promoção ao desenvolvimento nacional sustentável, também restariam incidentes.

Aliás, por exemplo, o próprio art. 2º, do Regulamento de Licitações e Contratos do Sebrae menciona a incidências de outros princípios correlatos aos citados textualmente.

Seguindo a presente interpretação, apresenta-se cogitável a definição de critérios de sustentabilidade nos certames das entidades do Sistema “S”, os quais devem ser indicados objetivamente, observando, para tanto, o mercado específico em que se insere o objeto almejado, de modo que a fixação de tais exigências não restrinja indevidamente a competição.

A titulo de referência, ante a ausência de normatização própria no âmbito da entidade, seria possível utilizar a disciplina do Decreto federal nº 7.746/2012, que “regulamenta o art. 3º da Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, para estabelecer critérios, práticas e diretrizes para a promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações realizadas pela administração pública federal (…)”, os quais podem ser adotados como parâmetro por essas entidades.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores