É possível a aplicação do rito processual disciplinar previsto pela Lei nº 8.112/90 às empresas estatais?

EstataisRegime de Pessoal

Conforme previsto pelo art. 173, § 1º, inc. II, da CF, as empresas estatais, quando destinadas ao exercício de atividade econômica, encontram-se sujeitas ao regime próprio das pessoas jurídicas de direito privado.

Nesse sentido, Maria Sylvia Zanella Di Pietro assevera:

“Uma primeira ilação que se tira do art. 173, § 1º, é a de que, quando o Estado por intermédio dessas empresas, exerce atividade econômica, reservada preferencialmente ao particular pelo caput do dispositivo, ele obedece, no silêncio da lei, as normas de direito privado. Essas normas são a regra; o direito público é exceção e, como tal, deve ser interpretado restritivamente”. (DI PIETRO, 2009, p. 443.)

Você também pode gostar

Devido ao regime privado a que se sujeitam, aos empregados das empresas estatais não se aplica o art. 5º, inc. LV, da Constituição Federal, segundo o qual “aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes”.

Dessa forma, a aplicação de sanções disciplinares no âmbito das estatais independe de prévio processo administrativo. Contudo, é possível que referidas empresas, em seus estatutos, prevejam procedimentos prévios à imposição de penalidades, tal como explicado pelo Manual de Direito Disciplinar para Empresas Estatais editado pela Controladoria-Geral da União:

“nada impede que as citadas empresas públicas e sociedades de economia mista, que se regem pelo mesmo regime das empresas privadas, inclusive no que toca aos direitos e obrigações trabalhistas, possam editar regulamento interno em que sejam contemplados procedimentos prévios de apuração para imposição de penalidades aos seus empregados. (…) Nesse sentido, uma vez prevista em regulamento interno a necessidade de realização de prévio processo para a aplicação de pena disciplinar, a estatal não poderá dispensá-lo e aplicar sanção a um empregado alegando que a legislação trabalhista não prevê esta garantia. Terá ela que realizar o procedimento previsto em seus regulamentos, sempre que verificar a necessidade de exercício do poder disciplinar”.  (Grifamos.) (CGU, 2015, p. 49.)

Segundo referido Manual, uma vez estabelecido estatutariamente a necessidade de prévio processo disciplinar, ficará a empresa estatal obrigada a instaurá-lo antes de sancionar o empregado.

Nesse contexto, questiona-se se, no caso de o estatuto da empresa estatal ser omisso quanto ao rito procedimental disciplinar a ser adotado, poderá a entidade privada fazer uso de disposições da Lei nº 8.112/90. Sobre o tema, a Controladoria-Geral da União já se manifestou, nos termos do Enunciado nº 15, de 18 de janeiro de 2017, de seguinte teor:

“Inexistente normativo interno no âmbito da empresa estatal que estabeleça o rito processual prévio à aplicação de penalidades, admite-se a adoção, no que couber, do procedimento disciplinar previsto na Lei nº 8.112/90 para a apuração de responsabilidade de empregados públicos”.

A determinação constante no referido enunciado foi para que, quando não houver normativo interno de processo administrativo disciplinar no âmbito da empresa estatal, seja admitido, subsidiariamente, o procedimento previsto na Lei nº 8.112/90 para a apuração de responsabilidade de empregados públicos.

Contudo, também quando houver uma omissão no regulamento interno da estatal e for possível a aplicação consonante da Lei nº 8.112/90 haverá, no que couber, a utilização das normas federais de processo administrativo disciplinar.

Diante desse contexto, conclui-se que, de acordo com o Enunciado nº 15 da CGU, é possível a adoção do rito processual disciplinar previsto pela Lei nº 8.112/90 às empresas estatais.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores