Contratação de serviços de publicidade: manutenção da impessoalidade na análise dos recursos relativos à classificação das propostas técnicas

Publicidade

Desde 29 de abril de 2010, a contratação de serviços de publicidade por parte da Administração Pública se submete a novas regras, previstas na Lei n° 12.232/2010.
Tal diploma legal apresenta normas gerais referentes à contratação de agências de propaganda, sendo, portanto, de observância obrigatória a todos os Poderes e a todas as pessoas que compõem a Administração direta e indireta da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Esta é, aliás, a disciplina constante dos art. 1°, caput e § 1°, da Lei n° 12.232/2010.

No intuito de manter a impessoalidade na contratação de soluções de publicidade, além de a Lei nº 12.232/10 determinar a adoção obrigatória dos tipos “melhor técnica” ou “técnica e preço”, também estabeleceu no § 4º de seu art. 11, um procedimento que impede a identificação dos licitantes até que tenha criada a ordem de classificação das propostas técnicas (plano de comunicação publicitária e informações complementares).
Em um primeiro momento, o procedimento referente à fase recursal pode causar certa confusão. Ora, de que adiantaria levar a efeito todas as cautelas previstas pela Lei nº 12.232/10 se, quando da fase recursal, a Administração teria conhecimento da autoria das propostas técnicas apresentadas? Não haveria, quanto a esse aspecto, prejuízo à impessoalidade, viabilizando, eventualmente, favoritismo/dirigismo?
Apesar de válido raciocínio nesse sentido, justamente por decorrer da interpretação finalística do procedimento de classificação das propostas técnicas previsto pela Lei nº 12.232/10, cumpre destacar, desde logo, que a resposta aos questionamentos acima é negativa. Vejamos.
A Administração deve se valer de aspectos objetivos (nos termos do artigo 7º da Lei nº 12.232/10) para determinar os critérios que serão avaliados e aplicar a pontuação respectiva aos planos de comunicação publicitária (que são analisados em sua versão não identificada).
Em razão disso, não se pode admitir recurso que apenas solicite a reavaliação da pontuação conferida. Na verdade, ao recorrer do julgamento das propostas técnicas, o interessado deve demonstrar, nas razões apresentadas, que houve equívoco na atribuição das notas técnicas, de acordo com os critérios objetivamente definidos no instrumento convocatório.
Ou seja, o recurso deve demonstrar que as condições de pontuação previstas no edital não foram fielmente observadas pela Administração, não sendo possível requerer, genericamente, a revisão das notas atribuídas.
Com base nas informações concretas apresentadas nos recursos, incumbirá à autoridade competente reavaliar o julgamento levado a efeito, a fim de confirmar se foram ou não observados os critérios objetivamente descritos no edital de licitação.
Confirmada a existência de equívoco, a reformulação da pontuação será impreterível, sob de prejuízo ao julgamento objetivo da proposta técnica.
Do arrazoado apresentado é possível inferir que a fase recursal relativamente às propostas técnicas (tanto para o tipo “melhor técnica” como para o tipo “técnica e preço”) caracteriza a oportunidade de reavaliação e, se for o caso, modificação do julgamento das propostas apresentadas com base nos critérios de pontuação objetivamente descritos no edital.
Disso não decorre qualquer afronta à impessoalidade. Aliás, a não correção de eventual erro, esta sim, caracterizaria afronta ao julgamento objetivo, uma vez que se admitiria a pontuação de determinada proposta técnica em desacordo com o edital de licitação.
De todo o exposto, concluímos no sentido de que, apesar de aparentemente confrontar com o procedimento da Lei nº 12.232/10 (que, nos moldes vistos, se ocupa detidamente da não identificação da autoria das propostas técnicas até que a ordem de classificação seja evetivamente formada), a configuração da fase recursal relativamente à classificação dos planos de comunicação publicitária e informações complementares não afronta a impessoalidade buscada pelo diploma legal em comento, uma vez que a avaliação dos recursos deve se pautar pelos critérios objetivos de julgamento constantes do instrumento convocatório.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores