Alteração unilateral dos contratos de TI para atender a IN nº 4/10

TI - Tecnologia da Informação

No Seminário “CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA”, realizado em 30 de novembro e 1º de dezembro de 2011, em São Paulo-SP, uma das dúvidas recorrentes consistia em saber se os contratos firmados antes da Instrução Normativa SLTI nº 4/10 devem ser alterados unilateralmente para se adequarem às novas disposições e, se negativo, se esses contratos podem ser prorrogados.

A Instrução Normativa nº 4, expedida em 12 de novembro de 2010 pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, regulamenta as contratações de soluções de tecnologia da informação pelos órgãos e pelas entidades integrantes do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática (SISP) e substituiu a IN nº 4/08, que tratava do tema e, em alguns aspectos específicos, estabelecia disciplina diversa da sua sucessora. Considerando a existência de contratos continuados de solução de tecnologia da informação, os quais podem ser prorrogados e alcançar até 60 meses, deve-se avaliar se esses contratos, quando firmados antes da atual norma, devem ser alterados, passando a atender às novas disposições.

De plano, parece-me inviável a alteração unilateral dos contratos firmados sob a égide da IN nº 4/08. Como bem se sabe, a Constituição da República consagra o princípio da segurança jurídica ao prever textualmente que “a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada” (art. 5º, inc. XXXVI). Nem mesmo a lei, que dirá uma instrução normativa, que é ato infralegal, pode modificar o ato jurídico perfeito, assim considerado aquele já realizado, acabado segundo a lei vigente ao tempo em que se efetuou, pois satisfez todos os requisitos formais para gerar a plenitude dos seus efeitos.

Contudo, reconheço que a impossibilidade de alterar unilateralmente os contratos não legitima a manutenção dos contratos firmados antes da IN nº 4/10 até o limite máximo que a sua prorrogação pode determinar. Pelo contrário, a própria IN nº 4/10 prevê que “as normas dispostas nesta Instrução Normativa deverão ser aplicadas nas prorrogações contratuais, ainda que de contratos assinados antes desta IN”.

Você também pode gostar

Assim, por ocasião da prorrogação, a Administração deve intentar negociação com a contratada no sentido de obter sua concordância para adequação do ajuste à disciplina da IN nº 4/10 e, na forma do parágrafo único do citado art. 30 da IN nº 4/10,

“nos casos em que os ajustes não forem considerados viáveis, o órgão ou entidade deverá justificar esse fato, prorrogar uma única vez pelo período máximo de 12 (doze) meses e imediatamente iniciar novo processo de contratação”.

Chamo a atenção para o fato de que essa orientação corrobora manifestação do Plenário do Tribunal de Contas da União, que, no Acórdão nº 1.915/2010, avaliou a minuta da nova Instrução Normativa nº 4/10 e recomendou à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão que adotasse os seguintes procedimentos:

“8.4.19 ajustar a redação do art. 25 da IN SLTI 4/2008 para que o trecho que trata da não aplicação da norma aos contratos em andamento e a seus aditivos seja substituído por comando para que cada órgão ou entidade (subitem 6.1.1 do relatório):

8.4.19.1 verifique a possibilidade de efetuar ajustes em cada contrato de serviços de TI em vigor, mediante termo aditivo, de modo que o contrato siga os comandos da IN SLTI 4/2008;

8.4.19.2 se os ajustes não forem considerados viáveis, justifique esse fato, abstenha-se de efetuar prorrogações ou repactuações referentes ao contrato e imediatamente inicie novo processo de contratação;”

Dessa forma, não me parece possível, dado o princípio da segurança jurídica, alterar unilateralmente os contratos firmados antes da Instrução Normativa SLTI nº 4/10. Todavia, nada impede as partes, por ocasião de eventual prorrogação contratual, de proceder aos ajustes necessários para atendimento da nova norma. Aliás, essa é uma condição imposta para a prorrogação dos contratos continuados de solução de tecnologia da informação, podendo ser afastada apenas nos casos em que os ajustes não forem considerados viáveis, hipóteses em que o órgão ou a entidade deverá justificar esse fato, prorrogar uma única vez pelo período máximo de doze meses e imediatamente iniciar novo processo de contratação, na forma disciplinada pela própria IN nº 4/10.

Continua depois da publicidade
1 comentário
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores