A Lei nº 12.846/2013 e a responsabilidade das pessoas jurídicas

Contratação diretaContratos AdministrativosLicitaçãoSanções Administrativas

Conforme nos reportamos no último post sobre o tema, vamos começar a falar um pouco no Blog sobre a legislação anticorrupção e as novas diretrizes nesse seara. Para iniciar, vamos falar de um dos pontos de destaque: a responsabilidade. Nesse aspecto, temos três pontos que devemos conhecer: o primeiro é que a legislação previu expressamente a responsabilização da pessoa jurídica por atos lesivos contra a Administração Pública, o segundo é que essa responsabilidade é objetiva e o terceiro é que a responsabilidade pode ser administrativa e civil.

De acordo com os arts. 1º  e 2º da Lei nº 12.486/2013:

Art. 1º – Esta Lei dispõe sobre a responsabilização objetiva administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira.

(…)

Art. 2º – As pessoas jurídicas serão responsabilizadas objetivamente, nos âmbitos administrativo e civil, pelos atos lesivos previstos nesta Lei praticados em seu interesse ou benefício, exclusivo ou não.

Você também pode gostar

Mas o que isso significa?

Bom, inicialmente, significa dizer que expressamente e por previsão legal as pessoas jurídicas podem ser responsabilizadas civil e administrativamente por atos lesivos praticados contra a Administração Pública. Antes havia entendimento jurisprudencial de que as pessoas jurídicas poderiam responder em face da lei de improbidade administrativa (Lei nº 8429/92), porém agora as pessoas jurídicas respondem em face de uma legislação que as abarca expressamente. De acordo com a Lei nº 12.846/13 o fato gerador da punição é a conduta da própria pessoa jurídica.

Os atos lesivos à Administração Pública aptos a ensejar a responsabilização da pessoa jurídica são os previstos no art. 5º da Lei anticorrupção.

Ademais, como dito, a responsabilidade é objetiva. Significa que a empresa será responsabilizada pela prática do ato ilícito  independentemente de dolo ou culpa. Aqui, basta que a ação (ou omissão) da pessoa jurídica enseje ato lesivo tipificado na lei  para que ocorra a responsabilização.

Nesse cenário ganha relevância a adoção e fiscalização de mecanismos e ações preventivas da prática de ilícitos. Nesse sentido, também ganha força a adoção e prática dos chamados Programas de Compliance, sobre o qual falaremos em outro post, e que em síntese são mecanismos adotados pelas empresas para prevenir, evitar ou minimizar atos e condutas que tragam riscos de violação de leis e de regras de conduta.

Por fim, importa dizer que  a responsabilidade da pessoa jurídica pode ser administrativa e civil.

No âmbito administrativo, os arts. 6º e 7º da Lei Anticorrupção autorizam a Administração a instaurar processo administrativo que poderá culminar com a aplicação de sanções como multa ou publicação extraordinária de decisão condenatória, além da reparação do dano, quando for o caso.

No âmbito civil poderá responder judicialmente pelos atos praticados. De acordo com o art. 19 da Lei poderão ajuizar ação para apurar a prática de atos lesivos à Administração, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, por meio das respectivas Advocacias Públicas ou órgãos de representação judicial ou equivalentes e o Ministério Público. Também nos termos do mesmo artigo, a ação poderá resultar na aplicação das seguintes sanções às pessoas jurídicas infratoras: I – perdimento dos bens, direitos ou valores que representem vantagem ou proveito direta ou indiretamente obtidos da infração, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé; II – suspensão ou interdição parcial de suas atividades; III – dissolução compulsória da pessoa jurídica; IV – proibição de receber incentivos, subsídios, subvenções, doações ou empréstimos de órgãos ou entidades públicas e de instituições financeiras públicas ou controladas pelo poder público, pelo prazo mínimo de 1 (um) e máximo de 5 (cinco) anos. Tais sanções poderão ser aplicadas inclusive cumulativamente se for o caso. Por fim, cumpre dizer que, nos termos do art. 21 da Lei, nas ações de responsabilização judicial, será adotado o rito previsto na Lei no 7.347/85 (Lei de ação civil pública).

Em linhas gerais, esse é o panorama relativo à responsabilização que pode ser atribuída às pessoas jurídicas após a publicação da Lei Anticorrupção.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores