A inexigibilidade traduz as hipóteses nas quais a competição é inviável, assim elas não podem ser confundidas com as de dispensa

Contratação diretaLicitação

Sobre a conclusão nº 9 do post publicado no dia 26 de abril, intitulado “O perfil constitucional da contratação pública”, são necessárias algumas ponderações complementares, cuja finalidade é melhor esclarecer o que foi afirmado.

Diz-se que a inexigibilidade traduz hipóteses em que há inviabilidade de competição porque não é possível garantir, no caso do inciso I do art. 25, a pluralidade de interessados, e no caso dos incisos II e III do mesmo artigo, a fixação de critérios objetivos de julgamento. Quanto à dispensa, não é possível dizer que a competição é inviável, pois no mais das vezes há pluralidade de interessados em contratar com a Administração e critérios para um julgamento objetivo, contudo sem vislumbrar-se a conveniência de realização de processo licitatório.

A distinção é importante para que não se coloque lado a lado dispensa e inexigibilidade de licitação. De um lado há a impossibilidade de licitar, de outro a inconveniência. Esse fator existe porque o legislador constituinte pode prever que em determinadas situações a licitação não seria o melhor procedimento para conduzir ao resultado idealizado. Isso se deve à existência de outros valores – de ordem constitucional – envolvidos na contratação pelo Poder Público, tais como a economicidade, o risco de perecimento da necessidade administrativa, etc.

Assim, é necessário entender que tanto a licitação quanto a dispensa são procedimentos que se caracterizam pela viabilidade de competição (e, portanto, isonomia), já que em ambos os casos haverá mais de um interessado e critérios objetivos de julgamento. Entretanto, nesse último caso há outro valor superior à isonomia que justifica o afastamento da licitação. Apenas como exemplo, citam-se as hipóteses do art. 24, inciso I, II e VI, em que o procedimento seria antieconômico e por isso deve ser afastado, e incisos XIII, XX, XXIV e XXVII, em que a licitação é afastada para que se promova a inclusão social.

Pelas razões expostas é que se afirma que a inexigibilidade e a dispensa de licitação são realidades distintas, que não se confundem por não partilharem dos mesmos pressupostos.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores