Sustentabilidade nas licitações públicas

Contratações Sustentáveis

É inegável a necessidade de adoção de práticas que viabilizem o desenvolvimento sustentável, assim entendidas aquelas ações que permitam a satisfação das necessidades atuais sem gerar o comprometimento dos recursos e do meio ambiente. Com isso, assegura-se às próximas gerações o direito de também satisfazer às suas necessidades.

Genericamente considerada, a Administração Pública brasileira é o principal agente econômico de nosso País, revelando-se indiscutível a urgência em torno da inserção de critérios de sustentabilidade nas licitações públicas.

Segundo o art. 6º, inc. XII, da Lei nº 12.187/09, são instrumentos da Política Nacional sobre Mudança do Clima “as medidas existentes, ou a serem criadas, que estimulem o desenvolvimento de processos e tecnologias, que contribuam para a redução de emissões e remoções de gases de efeito estufa, bem como para a adaptação, dentre as quais o estabelecimento de critérios de preferência nas licitações e concorrências públicas, compreendidas aí as parcerias público-privadas e a autorização, permissão, outorga e concessão para exploração de serviços públicos e recursos naturais, para as propostas que propiciem maior economia de energia, água e outros recursos naturais e redução da emissão de gases de efeito estufa e de resíduos”.

A questão que passa a ganhar relevo é o meio pelo qual essas providências serão inseridas nos contratos administrativos. Em outras palavras, o estabelecimento de critérios de preferência nas licitações depende de previsão em lei específica que discipline a forma e a medida dessa preferência?

Enfocado o processamento da licitação exclusivamente a partir do vetor da isonomia, a resposta seria positiva, uma vez que a previsão de preferência cria distinção entre quem, a princípio, a Lei não distinguiu.

No entanto, ao que parece, a intenção da Lei nº 12.187/09 pode ser viabilizada por meio da descrição do encargo da futura contratação e de suas especificações. Nesse caso, a norma incide diretamente sobre o planejamento da contratação pública, mais especificamente impactando na descrição da forma e dos padrões a serem seguidos para a execução do objeto contratado. Assim, a preferência prevista não afeta a disputa propriamente dita entre os licitantes, mas define as condições pelas quais essa competição se estabelecerá e o modo como o encargo da contratação deverá ser cumprido. Dito de outra forma, restringe-se à definição do encargo e limita-se ao âmbito de atuação discricionária da Administração, a qual encontra justificativa nas razões acima expostas, dispensando-se a previsão em lei para sua adoção.

Daí porque, a importância que o processo de planejamento das contratações assume em vista da necessidade de se estabelecer exigências e especificações que viabilizem a implementação de critérios de sustentabilidade aos contratos administrativos, sem gerar restrição indevida a competitividade. Está lançado o desafio!

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores