Quem tem medo da inexigibilidade? (7) Vamos assistir um vídeo?

Contratação diretaLicitaçãoPlanejamento

https://www.youtube.com/watch?v=Y3uLfQpsEec

Nos últimos post´s, vimos:

  1. que para realizar licitação é fundamental assegurar tratamento isonômico;
  2. que só é possível assegurar tratamento isonômico por meio de critério objetivo de julgamento;
  3. que as soluções do GRUPO II são aquelas que não podem ser definidas, comparadas e julgadas por critérios objetivos;
  4. que não é possível escolher um livro (a obra intelectual) empregando critérios objetivos de julgamento;
  5. que o “livro” é, na verdade, uma obra intelectual veiculada por meio de uma mídia que chamamos de livro;
  6. que não é possível definir, comparar e julgar os trabalhos intelectuais empregando critérios objetivos de julgamento;
  7. que, portanto, não é possível contratar trabalhos intelectuais por meio de licitação!

Essa última conclusão provoca em nós, habituados ao universo da contratação pública, alguma reação. Como a colega Araune Cordeiro afirmou com propriedade em seu post[1], ouvimos muito mais de 100 vezes que a licitação é regra e a dispensa e inexigibilidade são exceções. Pois bem, dispensa e inexigibilidade não são exceções, mas caminhos distintos que se prestam a finalidades também distintas. Quando estiver presente a inviabilidade de competição, configurada pela impossibilidade de aplicar critérios objetivos, a inexigibilidade se imporá, em detrimento da licitação. No último post demonstrei a vocês, por meio do exemplo da escolha de um livro, que obras intelectuais não são passíveis de definição, comparação e julgamento por critérios objetivos. Quando se traz a baila uma proposição como essa que fizemos, de que não é possível licitar trabalhos intelectuais, colocamo-nos em constante validação da ideia, o que nos faz ficar atentos a exemplos e possibilidades que confirmem ou, por que não, desconstruam a tese. Diante disso, gostaria de compartilhar com vocês um vídeo que mostra como é impossível, definir de forma objetiva o que se quer de alguém que deverá criar uma solução intelectual para atender a uma necessidade. Há algum tempo assisti a um episódio de uma série americana chamada Mad Men, em que o contexto é o seguinte: A série passa-se na década de 1960, inicialmente na agência de publicidade fictícia Sterling Cooper, localizada na Madison Avenue, em Nova York. O foco da série é o personagem Don Draper (Jon Hamm), diretor de criação da Sterling Cooper e um dos sócios-fundadores da Sterling Cooper, bem como as pessoas que fazem parte da sua vida, tanto dentro quanto fora do escritório. A trama tem como foco a parte profissional das agências de publicidade, bem como as vidas pessoais dos personagens que trabalham nelas, e mostra as mudanças sociais ocorridas dos Estados Unidos da época.” Grifamos. (Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Mad_Men>. Acesso em: 22 ago. 2013, às 14h30min.) O que nos interessa nesse contexto é que o trabalho desenvolvido por uma agência de publicidade é intelectual. Portanto, impassível de definição, comparação ou julgamento por meio de critérios objetivos. No episódio do qual foi extraído o vídeo que compartilharei com vocês, o personagem Don Draper é contratado para criar a campanha publicitária para um novo produto da Kodak. O homem que apresenta o trabalho para Don define o produto, que será objeto da campanha, como uma “tremenda máquina”, “rotativa” e “que não trava”. Don acrescenta que a Kodak “reinventou a roda”. O homem termina dizendo que a contratante pretende sejam utilizadas as palavras “pesquisa” e “desenvolvimento” nos anúncios, mas que se pudesse encontrar um jeito de incluir “roda” e “futuro” seria muito bom. Vejam que há uma breve descrição de como deveria ser o anúncio, inclusive com alguns requisitos objetivos, tais como o emprego de determinadas palavras. Descrição essa passível, inclusive, de ser feita num edital de licitação. No entanto, quando falamos de trabalho intelectual, não é possível definir quantas variantes são necessárias para a produção de um conteúdo. Por certo que experiência conta, mas e a criatividade?! Há pessoas que conhecem muito, mas criam pouco! Você pode dizer que quer contratar alguém experiente, mas e se a experiência limitar o profissional a fazer apenas aquilo que ele conhece, sem inovar?! Como ele irá encontrar uma solução que atenda a sua necessidade se não conseguir manejar aquilo que “sabe” com “capacidade de inovação”?! No caso da contratação de serviços intelectuais, muitas vezes uma empresa ou pessoa é contratada para projetar a solução para uma necessidade da Administração. Podemos citar como exemplo a construção de um viaduto. A Administração decide que a solução para transpor determinado trecho é um viaduto, mas contrata um terceiro capacitado (pessoa ou empresa) para elaborar o respectivo projeto. Nesse caso, o contratado deverá utilizar tudo que sabe (experiência) e adaptar com criatividade o projeto do viaduto à extensão, terreno, materiais, sustentabilidade, economicidade, rapidez, etc. Agora fica a dúvida, como isso tudo se processa nas nossas cabeças?! Como funciona o trabalho intelectual que fazemos diariamente? Já pararam para pensar a quantidade de decisões que tomamos diariamente, pautados na criatividade, experiência, engenhosidade? Voltando ao vídeo, esse episódio da série nos mostra como a construção de um trabalho intelectual é complexa e a quantidade de elementos que podem ser manejados para criar é infinita! Como se trata de um pequeno trecho, que mostra a definição do que o cliente quer (edital), a parte em que o personagem é tocado pela inspiração e o resultado final do trabalho, é importante que saibam, antes de assistir, que o personagem Don: 1) é marido e pai ausente; 2) descobre, em um telefonema, que alguém do seu convívio se  suicidou; 3) e que a incidência desses dois fatores dá origem a campanha que a Kodak queria, mas sequer soube definir[2]… Vamos ao vídeo, caso não seja possível acessar pelo You Tube, podem tentar esse http://www.bonsmotivos.com.br/video/Carousel_Kodak_MadMen.mp4 ou, para meus colegas da Zênite, na Intranet http://intranet/images/juridico/Carousel_Kodak_MadMen.mp4 : // A escolha desse exemplo, relacionado à contratação de serviços de publicidade, vai ao encontro da afirmação que fiz no post nº4, acerca da impossibilidade de contratação de serviços de publicidade e demais trabalhos intelectuais por meio de licitação. As exigências da Kodak foram simples, a inclusão de alguns termos para que se passasse a ideia de produto inovador. No entanto, não houve necessidade de incluir nenhum dos termos sugeridos por ela para que o contrato fosse cumprido. Não foi possível definir, comparar e julgar objetivamente, mas a necessidade da contratante foi atendida! Esclareça-se que sabemos o motivo que nos levou a atual vedação da contratação de serviços de publicidade e divulgação por meio da inexigibilidade, mas não se resolve o problema desnaturando a finalidade das coisas, mas sim dando tratamento adequado aos responsáveis pela utilização deturpada do instrumento.


[1] http://www.zenite.blog.br/quem-tem-medo-da-inexigibilidade-2-uma-mentira-contada-cem-vezes-vira-verdade/
[2] Seria possível ao contratante imaginar que esses fatos/características dariam origem a uma ideia genial na área da propaganda?

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores