Quem tem medo da inexigibilidade? (5) O que podemos comprar por meio de licitação

LicitaçãoPlanejamento

Vimos no último post que:

1) para realizar licitação é fundamental assegurar o tratamento isonômico;

2) só é possível assegurar tratamento isonômico por meio de critério objetivo de julgamento;

3) a utilização de critério objetivo de julgamento permite que o vencedor da licitação seja apontado pela incidência do critério (menor preço, a melhor técnica, a técnica e preço e o maior lance ou oferta) e não pela opinião ou impressão subjetiva de quem julga;

4) que o julgamento por meio de critério objetivo nos possibilita dizer que o procedimento foi isonômico.

Você também pode gostar

Resta saber o que pode ser contratado por meio de licitação. Para isso, precisamos considerar mais um ingrediente: o MERCADO.

 

Demonstramos a importância da identificação da necessidade e da definição da solução nos post´s anteriores, mas por que temos que analisar o mercado? Por que surgiu mais esse ingrediente?

A razão é simples, porque é no mercado que a Administração obterá a solução. Considerando isso o legislador, para viabilizar a construção do regime jurídico da contratação pública, olhou para o mercado e classificou as soluções em dois grandes grupos, quais sejam:

GRUPO I: as soluções pertencentes a esse grupo são comuns, homogêneas, uniformes e padronizadas, ou seja, podem ser definidas, comparadas e julgadas por meio de critérios objetivos.

[Blog da Zênite] Quem tem medo da inexigibilidade? (5) O que podemos comprar por meio de licitação — GRUPO I
GRUPO I

GRUPO II: as soluções pertencentes a esse grupo não são comuns, homogêneas, uniformes e padronizadas, ou seja, não podem ser definidas, comparadas e julgadas por meio de critérios objetivos.

[Blog da Zênite] Quem tem medo da inexigibilidade? (5) O que podemos comprar por meio de licitação — GRUPO II
GRUPO II

Já vimos que a utilização de critério objetivo aplicado ao julgamento permite que o vencedor da licitação seja apontado pela incidência do critério e não pela opinião ou impressão subjetiva de quem julga. Agora veremos como o critério objetivo é aplicado à definição e à comparação do objeto/solução que será contratado pela Administração.

Definição: dizemos que a definição/descrição se dá de forma objetiva quando é possível descrever o objeto e garantir, por meio dessa descrição, que o que se obterá é exatamente aquilo que se deseja/precisa. Vejamos um exemplo: vamos imaginar que iremos comprar uma TV e que decidimos que as características mínimas da solução (TV) para o atendimento da nossa necessidade são as seguintes: tecnologia LED, 32 polegadas, com controle remoto, entrada para USB e capacidade para acessar a internet.

Se pegarmos essa lista de especificações e formos a uma loja, sairemos de lá com a nossa necessidade atendida, ou seja, teremos uma TV com: tecnologia LED, 32 polegadas, com controle remoto, entrada para USB e acesso à internet. Em suma, a descrição permitiu/viabilizou que obtivéssemos exatamente o que precisávamos.

Comparação: a definição objetiva da solução permite também a comparação entre a sua descrição no edital[1] com a apresentada pelo(s) interessado(s) na(s) proposta(s), de forma que apenas as propostas consideradas compatíveis com a descrição da solução feita pela Administração permanecerão na disputa.

Com isso se assegura novamente a isonomia, porque é afastada a realização de comparação das soluções/propostas por critérios de ordem subjetiva (opinião ou impressão de quem compara).

Realizada a comparação entre o descrito no edital e na(s) proposta(s) do(s) interessado(s) encerra-se o ciclo com o julgamento e escolha da melhor proposta para a Administração pela incidência de um dos critérios estabelecidos pela lei: menor preço, a melhor técnica, a técnica e preço e o maior lance ou oferta.

[Blog da Zênite] Quem tem medo da inexigibilidade? (5) O que podemos comprar por meio de licitação — colorida
colorida

Restou ainda uma pergunta a ser respondida: quais as soluções que se encaixam no GRUPO I, ou seja, que podem ser definidas, comparadas e julgadas por critérios objetivos.

Entendemos que as soluções do GRUPO I são as homogêneas, uniformes e padronizadas que, em geral, são disponibilizadas pelo mercado prontas e acabadas. Em relação a essas soluções é possível afirmar que por meio da definição/descrição será possível obter exatamente o que precisamos para atender à nossa necessidade, como vimos no exemplo da TV.

Há soluções feitas por encomenda que também podem ser definidas, comparadas e julgadas por meio de critérios objetivos. Um exemplo são as obras e serviços de engenharia, no qual os projetos básico e executivo definem/descrevem de forma objetiva o que se pretende obter e, uma vez seguidos, irão garantir que a Administração obtenha a solução nos exatos moldes definidos por ela.

Farei uma proposta agora, olhem o ambiente em que trabalham e identifiquem as soluções que pertencem ao GRUPO I. Eu vou listar algumas que vejo agora: computador, monitor, telefone, mesa, cadeira, caderno, aparelho de ar condicionado, lâmpada, armário, estante, etc.

É possível descrever de maneira objetiva as soluções acima citadas e obter do mercado, por meio da obediência a essa descrição, exatamente o que precisamos para o atendimento da necessidade da Administração.

Descrever a solução é difícil, mas já tentaram faze-lo partir da necessidade? Cremos que essa dica é de grande valia, porque inclusive propicia a tão almejada motivação às exigências que temos que impor para contratar e atender à necessidade da Administração.

Então vamos à conclusão: as soluções do GRUPO I, tidas como comuns, homogêneas, uniformes e padronizadas são aquelas que podem ser definidas, comparadas e julgadas por meio de critérios objetivos, o que garante o tratamento isonômico e impõe, consequentemente, que a contratação seja realizada por meio de licitação.

No próximo post começaremos a trabalhar as soluções do GRUPO II e a inexigibilidade.


[1] Ou no documento que materializa o planejamento nas contrações realizadas por dispensa.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores