Papai Noel não vai mais aparecer?!?

TI - Tecnologia da Informação

Finalmente, a Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) reconheceu a fragilidade do sistema de compras eletrônicas – Comprasnet, em face do uso de robôs que substituem um ser humano no envio de lances e implantou, a partir de 31 de janeiro, novidades no sistema que rejeitaram a ação desse expediente.

Segundo a notícia divulgada no sítio eletrônico do Ministério do Planejamento nesta data, “O governo federal quer mais igualdade na participação dos fornecedores que vendem produtos e serviços à Administração Pública Federal por meio dos pregões eletrônicos”(http://www.planejamento.gov.br/noticia.asp?p=not&cod=7021&cat=94&sec=7).

O objetivo das modificações aplicadas consiste em identificar os lances que são dados em espaços de tempo considerados muito curtos e, de acordo com a Secretária Glória Guimarães da SLTI, responsável pelas normas das compras governamentais e pela gestão do Comprasnet, “Essa velocidade pode ser atribuída ao uso de softwares e, sendo estes detectados agora pelo sistema, o usuário perderá a conexão com o portal”.

Até dezembro do ano passado, quando tratei desse tema aqui no blog da Zênite, explicava a própria Secretária Glória Guimarães que “A utilização desses programas não garante vitória no pregão, pois nosso sistema é preparado para rejeitar lances em intervalos menores dos que são alcançados por uma pessoa” (http://www.planejamento.gov.br/noticia.asp?p=not&cod=6878&cat=94&sec=7). Naquela oportunidade a SLTI também informou que tentativas de fraude eram facilmente detectados por meio do rastreamento das operações. Essas manifestações davam a entender que, segundo a SLTI, não haveria razões para se preocupar com a isonomia nos pregões eletrônicos.

No entanto, essa não era a nossa conclusão, assim como também não era a conclusão daqueles que operam o sistema, sejam servidores ou licitantes, e tão pouco, do TCU, que no Acórdão nº 1.647/2010-Plenário expediu a seguinte determinação à SLTI: “no prazo de noventa dias adote meios de prover isonomia entre os licitantes do pregão eletrônico, em relação a possível vantagem competitiva que alguns licitantes podem obter ao utilizar dispositivos de envio automático de lances (robôs)”.

O que se vê agora é justamente o atendimento a essa determinação do TCU e com essa iniciativa espera-se que a parceria do Serpro com a SLTI continue a desenvolver novas funcionalidades no sistema para dificultar vantagens de um concorrente sobre o outro, pois somente assim será possível assegurar o uso de modernas ferramentas de gestão sem prejuízo aos princípios, especialmente a igualdade, que devem orientar o processamento das contratações.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores