O registro de preços e a questão da quantidade do objeto a ser licitada – Qual regime de execução deve ser adotado?

Registro de Preços

No post de hoje vou tratar de uma dúvida comum: o registro de preços exige necessariamente que o regime de execução seja a empreitada por preço unitário ou seria possível adotar, em determinadas situações, a empreitada por preço global?

Planejar é projetar decisões e ações futuras por meio de respostas para questões presentes. No entanto, em razão de certas peculiaridades, em muitos casos, não é possível apresentar respostas precisas para determinadas questões, tais como: a) quando uma demanda potencial será concreta (efetiva) ou b) qual é a dimensão (volume) da demanda?

Assim, por exemplo, se não se souber qual é o volume da demanda, não será possível precisar a quantidade exata do objeto a ser adquirido. Nesse caso, não é possível falar em quantidade precisa para o objeto, mas apenas imprecisa (não definida ou indicada de forma meramente estimada).

A ausência da variável quantidade em termos precisos impedirá que a Administração adote, por exemplo, a empreitada por preço global, pois esse regime exige que a quantidade seja exata (precisa) no seu aspecto quantitativo. Assim, quando não soubermos qual é a dimensão da demanda que quantifica a necessidade, estaremos diante de uma imprecisão que impedirá a definição exata do encargo (objeto). Tal imprecisão exigirá que o regime de execução seja necessariamente a empreitada por preço unitário.

Portanto, diante da imprecisão quantitativa do objeto, deve-se utilizar o regime de empreitada por preço unitário. Esse regime foi idealizado para resolver justamente um tipo específico de incerteza – a da quantidade do objeto, que impede que a Administração exija do licitante a apresentação de um preço certo e total para a execução do encargo.

Assim, a alternativa pensada foi exigir apenas que ele estabeleça um preço certo por unidade de medida definida pela Administração. Portanto, o encargo é definido pela Administração no edital sob o ponto de vista qualitativo, mas não sob o aspecto da sua quantidade, pois esta, em muitos casos, somente pode ser apurada depois de realizada a licitação. Dessa forma, o licitante fixará, na sua proposta, apenas o preço do encargo para uma unidade do padrão de medida adotado pela Administração, e não para todo ele.

A empreitada por preço unitário foi idealizada para resolver o problema da fixação da remuneração de um encargo que está definido em termos qualitativos, mas não em termos quantitativos. Assim, a empreitada por preço unitário é o regime de execução a ser utilizado nas contratações que envolvem o registro de preços sempre que não for possível definir, de forma precisa, a quantidade exata que deverá ser fornecida do objeto ou do serviço prestado. No entanto, em tese, no registro de preços, é possível também a utilização da empreitada por preço global, desde que a quantidade do objeto possa ser fixada de forma precisa. Uma coisa não afasta outra.

Mas é preciso reconhecer que o regime de execução que melhor se afina com o registro de preços é o por preço unitário. Portanto, imprecisão da quantidade do objeto e regime de empreitada por preço unitário são realidades indissociáveis, ou seja, se a quantidade do objeto for imprecisa, o referido regime é obrigatório.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores