NOVA LEI DE LICITAÇÕES: modalidades extintas, mantidas e novas

Contratos AdministrativosLicitaçãoNova Lei de Licitações

O Projeto de Lei nº 4.253/2020 aprovado pelo Senado, promove alterações nas modalidades de licitação atualmente existentes.  

De acordo com o disposto no seu art. 28, restarão apenas as seguintes modalidades, de forma que foram excluídos o convite e a tomada de preços do novo regime: I – pregão; II – concorrência; III – concurso; IV – leilão; e V – diálogo competitivo. 

Em
relação às modalidades que remanescem da legislação anterior, também há
novidade. A maior delas, pelo fato de que, consoante dispõe o art. 29
do Projeto de Lei, “A concorrência e o pregão seguem o rito procedimental comum a que se refere o art. 17 desta Lei, (…)”. 

Isso
significa que a concorrência assumirá a mesma dinâmica procedimental
atualmente empregada para o pregão, de acordo com a qual ocorre,
primeiro, a seleção da oferta mais vantajosa, depois a habilitação e,
por fim, a concentração da fase recursal. 

Atente-se,
no entanto, que o § 1º do art. 17 permite, desde que mediante ato
motivado com explicitação dos benefícios decorrentes, promover a
inversão das fases.

Você também pode gostar

Agora, a maior novidade a respeito das modalidades de licitação talvez seja a criação da modalidade diálogo competitivo.  

Trata-se
de “modalidade de licitação para contratação de obras, serviços e
compras em que a Administração Pública realiza diálogos com licitantes
previamente selecionados mediante critérios objetivos, com o intuito de
desenvolver uma ou mais alternativas capazes de atender às suas
necessidades, devendo os licitantes apresentar proposta final após o
encerramento dos diálogos”. 

Sua adoção é restrita a contratações em que a Administração: 

“I – vise a contratar objeto que envolva as seguintes condições: 

a) inovação tecnológica ou técnica; 

b) impossibilidade de o órgão ou entidade ter sua necessidade satisfeita sem a adaptação de soluções disponíveis no mercado; e 

c) impossibilidade de as especificações técnicas serem definidas com precisão suficiente pela Administração; 

II
– verifique a necessidade de definir e identificar os meios e as
alternativas que possam satisfazer suas necessidades, com destaque para
os seguintes aspectos: 

a) a solução técnica mais adequada; 

b) os requisitos técnicos aptos a concretizar a solução já definida; 

c) a estrutura jurídica ou financeira do contrato; 

III – considere que os modos de disputa aberto e fechado não permitem apreciação adequada das variações entre propostas”. 

A respeito do seu processamento, o Projeto de Lei traz a seguinte previsão no § 1º de seu art. 32: 

“Art. 32. (…) 

§ 1º Na modalidade diálogo competitivo, serão observadas as seguintes disposições: 

I
– a Administração apresentará, por ocasião da divulgação do edital em
sítio eletrônico oficial, suas necessidades e as exigências já definidas
e estabelecerá prazo mínimo de 25 (vinte e cinco) dias úteis para
manifestação de interesse de participação na licitação; 

II
– os critérios empregados para pré-seleção dos licitantes deverão ser
previstos em edital, e serão admitidos todos os interessados que
preencherem os requisitos objetivos estabelecidos; 

III – a divulgação de informações de modo discriminatório que possa implicar vantagem para algum licitante será vedada; 

IV
– a Administração não poderá revelar a outros licitantes as soluções
propostas ou as informações sigilosas comunicadas por um licitante sem o
seu consentimento; 

V
– a fase de diálogo poderá ser mantida até que a Administração, em
decisão fundamentada, identifique a solução ou as soluções que atendam
às suas necessidades; 

VI
– as reuniões com os licitantes pré-selecionados serão registradas em
ata e gravadas mediante utilização de recursos tecnológicos de áudio e
vídeo; 

VII
– o edital poderá prever a realização de fases sucessivas, caso em que
cada fase poderá restringir as soluções ou as propostas a serem
discutidas; 

VIII
– a Administração deverá, ao declarar que o diálogo foi concluído,
juntar aos autos do processo licitatório os registros e as gravações da
fase de diálogo, iniciar a fase competitiva com a divulgação de edital
contendo a especificação da solução que atenda às suas necessidades e os
critérios objetivos a serem utilizados para seleção da proposta mais
vantajosa e abrir prazo, não inferior a 60 (sessenta) dias úteis, para
todos os licitantes apresentarem suas propostas, que deverão conter os
elementos necessários para a realização do projeto; 

IX
– a Administração poderá solicitar esclarecimentos ou ajustes às
propostas apresentadas, desde que não impliquem discriminação nem
distorçam a concorrência entre as propostas; 

X
– a Administração definirá a proposta vencedora de acordo com critérios
divulgados no início da fase competitiva, assegurada a contratação mais
vantajosa como resultado; 

XI
– o diálogo competitivo será conduzido por comissão de contratação
composta de pelo menos 3 (três) servidores efetivos ou empregados
públicos pertencentes aos quadros permanentes da Administração, admitida
a contratação de profissionais para assessoramento técnico da comissão; 

XII
– órgão de controle externo poderá acompanhar e monitorar os diálogos
competitivos, opinando, no prazo máximo de 40 (quarenta) dias úteis,
sobre a legalidade, a legitimidade e a economicidade da licitação, antes
da celebração do contrato”. 

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores