A igualdade pressupõe critério objetivo de julgamento

Contratação diretaLicitação

Apenas para situar o leitor, iremos abordar aqui as conclusões 3 e 4 do post publicado no dia 26 de abril, intitulado “O perfil constitucional da contratação pública”, sobre as quais apresento as seguintes ponderações complementares, cuja finalidade é melhor esclarecer o que foi dito.

Para assegurar tratamento isonômico, é preciso também que o critério de julgamento seja objetivo, sob pena de a igualdade ser violada por preferência de ordem pessoal (subjetiva). Porém, a garantia de assegurar tratamento isonômico não depende apenas no nosso querer e da nossa predisposição, mas de outras condições que fogem ao nosso controle e domínio. Tais questões são consideradas como extrajurídicas. Para garantir igualdade de tratamento, é fundamental que a escolha do parceiro da Administração se faça mediante critério objetivo, pois, do contrário, o tratamento isonômico estará comprometido. Portanto, se não for possível definir critério de julgamento objetivo, a licitação não deve ser realizada. E não deve por uma razão simples: o pressuposto da licitação é a igualdade. Ora, se o pressuposto não pode ser assegurado, o dever deixa de existir. Essa é a lógica que norteia a ordem jurídica.

A impossibilidade de definir o critério objetivo para realizar a escolha do parceiro não deve ser confundida com a eventual inaptidão do agente encarregado de realizar essa etapa no processo de contratação. Inaptidão pessoal é uma coisa, e impossibilidade é outra. A impossibilidade de que falamos acima não decorre da imperícia do agente “A” ou “B”, mas da própria incapacidade humana, ou seja, de uma condição que atinge a todos. Portanto, ela é objetiva (impessoal), e não subjetiva (no sentido pessoal, individual). Mensurar objetivamente o que é incomensurável é uma característica da raça humana, e não de determinado ser humano.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores