Análise da CNDT pela Administração: mera verificação de autenticidade?

Licitação

Com a entrada em vigor da Lei nº 12.440/2011, em 04 de janeiro de 2012, passou a ser exigível a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas nas licitações.

Com isso, dúvidas tem surgido quanto à validade da certidão apresentada pelo licitante, cujo teor menciona a validade por 180 dias, na hipótese de a Administração obter, quando da verificação da autenticidade do documento, certidão com teor diverso.

O que ora se pretende é auxiliar o agente público na solução de situações dessa natureza.

O art. 642-A, § 4º, da CLT, acrescido pelo art. 1º, da Lei nº 12.440/2011, fixa que o prazo de validade da CNDT é de 180 (cento e oitenta) dias, contados da data de sua emissão.

Você também pode gostar

Por seu turno, a Resolução nº 1.470/2011, do TST, que regulamenta a expedição de CNDT, estabelece em seus anexos que “A aceitação desta certidão condiciona-se à verificação de sua autenticidade no portal do Tribunal Superior do Trabalho na Internet (http://www.tst.jus.br).”

Logo, seria possível firmar a compreensão de que, emitida a CNDT e apresentada no prazo de validade, bastaria à Administração verificar sua autenticidade.

Ocorre que a análise da autenticidade diz respeito ao documento apresentado pelo licitante, expedido dias antes da realização da licitação, o que pode não refletir a atual situação da licitante, até por que o Banco Nacional de Devedores Trabalhistas é alimentado diariamente.

Reforça essa conclusão o teor do art. 5º, § 2º, inc. I, da Resolução nº 1.470/2011, segundo o qual a CNDT conterá a “informação de que os dados estão atualizados até 2 (dois) dias anteriores à data da sua expedição”.

Desse modo, o fato de as certidões expedidas conterem validade de 180 dias não garante que, neste período, o particular não tenha perdido a condição de regularidade.

Por conta disso, se o conteúdo da CNDT contém atualizações até 2 dias anteriores à sua expedição, e o procedimento de validação apenas confirma a autenticidade do documento para a data em que foi expedido, conclui-se que o ateste quanto à regularidade trabalhista pela Comissão fica condicionado à emissão de nova CNDT quando da análise pertinente.

Ou seja, apesar de o documento conter a informação quanto à validade pelo prazo de 180 dias, por conhecer que nesse interregno a condição de regularidade pode se alterar, deve-se expedir uma nova CNDT quando do julgamento da habilitação, de modo a privilegiar essa última informação.

Por exemplo, se o licitante tiver apresentado certidão negativa emitida em 15/01/2012, válida por 180 dias, considerando que, em consulta realizada em 15/03/2012, e a Administração obtém, no julgamento da habilitação, uma certidão positiva, será o teor da certidão emitida nesta data que terá o condão de aferir a regularidade (ou irregularidade) trabalhista da licitante, por retratar a atual situação da licitante.

Com isso forma-se a conclusão no sentido de que a Administração deve considerar o teor da certidão mais recente.

Continua depois da publicidade
2 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores