A possibilidade de a Administração realizar reunião com fornecedores para definição do objeto da licitação

Planejamento

A fase interna é a etapa mais importante do processo da contratação pública. Nela, a Administração realiza o planejamento da contratação, de modo a identificar sua necessidade e definir a solução mais adequada para satisfazê-la.

Para tanto, a melhor maneira de a Administração definir o objeto da contratação é realizar uma ampla pesquisa de mercado, o que possibilitará conhecer com exatidão as soluções disponibilizadas pelo setor privado e, a partir disso, estabelecer a melhor relação custo x benefício.

Não existe um procedimento previsto em lei que detalhe o modo pelo qual a pesquisa de mercado deve ser realizada. Isso significa que, como regra, todo e qualquer meio lícito e possível poderá ser empregado para tal fim. Entre eles, surge a alternativa de agendar reuniões com representantes de empresas do ramo do objeto pretendido.

Essas reuniões possibilitarão à Administração obter todas as informações necessárias e conhecer melhor o conjunto de soluções disponíveis no mercado. Assim, ninguém melhor do que o próprio fornecedor para informar as potencialidades do seu produto ou serviço, quando for o caso.

Contudo, se esse procedimento não for conduzido de maneira adequada poderá conflitar com princípios de primeira ordem, a exemplo da isonomia, impessoalidade e moralidade. Para evitar quaisquer espécies de vícios, a adoção de algumas cautelas se faz recomendável com relação à realização e à condução dessas reuniões.

A primeira delas refere-se à necessidade de convidar o maior número possível (se não todos) de fornecedores. Com tal medida, a Administração evita eventuais cogitações de favorecimentos, na medida em que possibilita a todo e qualquer interessado participar e se manifestar acerca da necessidade da Administração e da solução de que dispõe para satisfazê-la.

A segunda diz respeito a conferir o máximo de publicidade e transparência à reunião, de sorte a permitir o exercício do controle, inclusive membros da sociedade civil. Dessa forma, nas situações que envolverem investimentos de maior expressão, a audiência pública pode ser uma alternativa interessante, já que, por meio de convocação, fica facultada a participação de todos os interessados. Nas situações de contratos menos expressivos, em que não se justifique a realização de uma audiência pública, mostra-se salutar que a Administração deve tomar o cuidado de reduzir a termo o teor da reunião e anexar esse documento, devidamente assinado pelos participantes da reunião, nos autos do processo administrativo da contratação.

Em suma, não se visualiza qualquer impedimento capaz de obstar que a Administração se reúna com representantes de empresas privadas para conhecer detalhes dos produtos e serviços disponíveis no mercado. Deve-se apenas, ter cuidado para que essas reuniões sejam conduzidas à luz dos princípios que regem o exercício da função pública, ou seja, de forma transparente, impessoal e isonômica, sem gerar qualquer benefício ou vantagem indevida aos participantes.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Estatais

Estatais & mecanismos para a inovação

Inteligência artificial, blockchain, internet of things, computação quântica, supercondutores e energia limpa e renovável são exemplos de temas vinculados à inovação que entusiasmam gestores públicos e privados. A celebração de...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores